Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro 4, 2018

E Deus, Pina?

Catolicos recasados sao aconselhados a abster-se de ter relacoes sexuais
Fui baptizado, e depois sacramentado com a primeira comunhão e ainda mais consagrado com a solene. Passei por tudo isto e só escapei por pouco de ser crismado, porque tinha um teste importante nessa semana. Mais tarde, casei-me pela igreja também e, em todas estas ocasiões usei sapatos que me foderam todo desde as plantas dos pés até à cabeça. Desde aí, desenvolvi pouca tolerância para esta forma de ser igreja. Tanta hipocrisia não é caminho algum para um paraíso decente.


Em vez de se estropiarem uns aos outros rebatendo todos estes séculos de instituição arreigada em discussões inúteis, vejam antes como o Fellini as deita por terra em uma cena brilhante do seu filme de 1972 "Roma". É hilariante, tanto, que muitas cenas desta sua película foram realmente censuradas pelo Vaticano, o que só indica a 'mouche' do alvo para onde apontou. Contra dogmas enraizados, só o humor nos salva. E Deus ri muito, …

Estender a Pele pela Boca

A Não Perder!

Sou da Parte que é a Favor de ser do Contra.

Ignoro saber se serei capaz de me colocar a jeito para a represália de alimárias mais primitivas. Aquelas de peito já cheio por regra e cabeça rapada por dentro, entouçados ao contrário para garantir que só o mineral mais sujo aí prospera. Mas não os rejeito. Abraço-os até, isto, se vierem aqui. (alguns aparecem, e logo esbracejam imenso pelos dedos ansiosos de babuínos, atirando fezes ao desbarato por todo o lado. Todavia, tão depressa quanto largam a sua carga de fel, desaparecem - atentem, não sou eu quem os apaga, são eles próprios que se esvaem em um nada, após a descarga dos vitupérios pestilentos.)  De facto, desconheço se terei eu mesmo algum peito erigido em bravura, pronto a receber essas pancadas brutas. Mas, admito humanidade e por isso reconheço as minhas fraquezas, esta é só uma da longa lista que me faz homenzinho todos os dias.
Duvido muito da minha ousadia sim, mas escrevo-a, porém, na habitual purga que a alma necessita, naquela rotina contínua da auto-limpeza de espír…

Dia sim, dia não uma beleza antiga

Mr. Hyde

Vim a saber que sou um pulha!
Descobri-o entre e entretanto o dia do meu aniversário, o pior de sempre em quarenta seis contados com atenção. Bolas! Sempre me vi como um bom cabrão egoísta. Foi uma grande decepção descobri-lo assim. Pensei que os cabrões egoístas também mereceriam qualquer coisa de vida. Alguns instantes de bonança. Um valente cabrão não é nenhuma bomba suja, algum nazi em evolução, daqueles terroristas que só são bons para se descarregar explosões pálidas de raiva em cima. Brutalidades verdes de verdadeira cólera, cegas, protegidas pela virtualidade. Afinal são e sou. Mas enfim, atirem, atirem à vontade. Quer dizer, cabrão que seja, não me lapidem é no escuro, façam-no às claras, peço-vos. Se for para levar porrada prefiro que se vejam as medalhas roxas. Saber que sou um pulha também é um bónus talvez. Algum prémio demoníaco inusitado. Sou cabrão só às escondidas, como uma identidade secreta, na vida real sou um pó inócuo. - Em boa verdade prefiro ser um pulha!
É do…

A caminho de um qualquer futuro

Isto precisa de ser dito, e já! 
É uma coisa que já sangra há muito e continua em ferida aberta, pois ninguém quer dizer realmente que ali está, sangrando profusa e exposta a infecções letais, vulnerável e tão frágil quanto uma criatura recém desabrochada entre algum gume impiedoso. - O enorme problema de muita gente, dita esclarecida e intelectual, é o de comparecerem apenas nos espaços de outros que tomam como seus superiores, dos quais almejam algo, ou para os quais os afectos menos puros os aproximam.  Procuram relações proveitosas, sugam tudo, sem remorsos e sem planos definidos para os seus futuros. Só querem  'ser', ou  esperam ocupar, em algum futuro provável, aquele mesmo espaço invariável de quem são meros súcubos. - Novamente aqui presente o imperativo tribal em acção nociva.
Seus grandes tolos! Ide ver apresentações e conferências dos "rascas", dos "ostracizados", dos "colocados no mesmo saco" porque não têm outro lugar onde caber, visto …

Saudades de ver bons Filmes (XVII)

... em que compreendo tão bem os personagens.


Terry: "You don't understand. I coulda had class. I coulda been a contender. I coulda been somebody, instead of a bum, which is what I am"

É tanto isto tudo

19.

Cá em casa tudo bem:
o sofá quieto a olhar a televisão
desligada;
os livros cansados de existir na estante;
o candeeiro apagado pela teimosia do dia;
os pratos escorrem o sangue da fome
imaginada;
os lençóis esticados pela morte
aguardam-me;
eu
à frente do computador
tento escapar-lhe,
inventando outro de mim;
a música parou;
ouvem-se pássaros
e outras vidas próximas;
parece verão
mas é apenas
ficção;
é tanto isto tudo
e eu sou tão pouco;
vou comer o último pedaço de chocolate;
sei que não te importas
depois de fumar
e antes de fodermos.

F.S.Hill
"Gesso"
DSO Novembro 2017

Dia dos Amigos?

Acabo de descobrir mais esta pérola. Como escapei do campo de concentração das redes sociais, demoro mais tempo que o comum dos mortais a fazer tristes figuras. Grosso modo, isto é a instituição celebratória de mais um dia, entre os trezentos e sessenta e cinco (os bissextos são anti-natura) que fazem os anos avançar inexoravelmente. O de hoje caiu na consignação da amizade. E há festa, penso. Gritos ululantes, amizade desbravada nestas vinte e quatro horas, sem restrições ou de outro modo, introspecções demoradas sobre o que quer que seja, que não se refira ou celebre a amizade. Hoje é o dia dos amigos, disse alguém, e, ai de quem não o seja ou o mostre neste dia. Mas, esperem... ninguém me ligou hoje. Nem vivalma me marcou nas coisas comuns destes dias inefáveis, um toque, uma foto, um post, algum link ou tag. Não terei amigos? Dizem-me que sou inacessível porque vivo na minha privacidade e não partilho ao segundo a ingestão de cada alimento ou a prova de cada acção. Dizem-me que e…