Avançar para o conteúdo principal

Biografia


Foto: Jorge Machado


Nortenho de gema, e amante profundo das suas raízes, sobretudo da cidade que o viu nascer: Vila do Conde, Casimiro Teixeira, desde cedo demonstrou inclinações para as letras, publicando alguns textos numa revista editada pelo departamento de Filosofia do seu liceu, e criando assim um espaço interior inteiramente dedicado à escrita, que foi sempre para si, um ombro amigo, constantemente em evolução. Foi na escrita que se moldou como homem, e nunca a abandonou, apesar de não ter, até à data, tido coragem para expor algum dos seus trabalhos ao público, deixando que estes se fossem acumulando em resmas de papéis guardados em gavetas..

A vontade indómita chegou finalmente em 2011, publicando pela Corpos Editora, o livro de Poesia: "Poemas por Tudo e por Nada" e o empolgante Romance de Ficção: "Governo Sombra" com a chancela da Chiado Editora. Tem igualmente disponível, no sítio da Bubok, em edição de autor, um conto intitulado; "À Procura de uma Vida” e uma novela “Corre!”, tendo também participado nas colectâneas de autores: “Gêmea – Vol.II” da editora brasileira Beco dos Poetas e escritores, “Novos Contos de Natal, Vol. I” das Edições Vieira da Silva, com o conto "Relógio de Natal", na Antologia de Poesia Contemporânea "Entre o Sono e o Sonho" Vol. III, edição da Chiado Editora, com o poema “Alma Doente”, e Vol. IV com o poema "Um desenho feito de Carne."
Em 2013, tem já confirmadas as publicações, de um conto intitulado: "Botões de Punho" na Nova Colectânea Beijos de Bicos e histórias de Amor, da editora Pastelaria Studios, e também de um novo livro de poesia: "Que Alguém saiba que és um Homem" da Corpos Editora.
Incansável no seu gosto pela escrita, nos seus diversos estilos: Poesia, Romance, Novela e Conto, tem diferentes trabalhos investidos em concursos literários, tendo já sido galardoado com uma menção honrosa no I Concurso Literário “Ser Solidário”, organizado pelo serviço de Humanização do Hospital de S. João do Porto, com o conto: “O Fim da Noite
Define-se como um escritor estilizado nos moldes de um realismo mágico, de histórias de solidão e deslumbramento – fazendo-se acompanhar em cada uma das suas narrativas, por alguns dos seus companheiros mais frequentes: o amor, o poder e a morte. Munido dessa grande paixão, publica quase diariamente no seu blog pessoal: http://neomiro.blogspot.com - O Mundo de acordo com Miro, textos dos mais diversos géneros, assim como na sua página de fãs do Facebook, que actualiza constantemente, e igualmente em diversas outras páginas e blogs de poesia e contos.






















Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…