Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro 16, 2011

Reflexões sobre o Acordo Ortográfico

Este texto que aqui lêem, não está (ainda) formatado segundo as novas regras do Acordo Ortográfico que entrou em vigor em Janeiro de 2009. E não está, porque não estou para isso, afinal de contas, o acordo propriamente dito, navega por enquanto, num limbo de pré-aprovação, ou de adaptação generalizada, e este período latente de transição, irá continuar, até se intitucionalizar em 2015. Aí então, já será a matar. Ora, se posso utilizar a mesma grafia que utilizei sempre, mal ou bem, mais pontapé menos pontapé, porque haveria de a mudar agora?
O assunto já não é novidade nenhuma, já tem barbas por assim dizer, mas, aqui neste mundo de onde vos escrevo, ainda estamos em Portugal, e as opiniões exprimem-se quando a cabeça as magica, e apesar de todas as infracções que poderei vir a incorrer, eu adopto o sistema antigo, porque esse, é que é o nosso.

Linha do Horizonte

O jogo

Porque eu não me contento em ser apenas mais uma carta neste jogo infernal onde estamos todos baralhados. Não quero ser mais uma cena que passa, e depressa é esquecida, mais um duque, sem reino ou poder que lhe possa chamar seu, mais uma quina enviesada e desequilibrada, não! Não quero! Estou farto, entendes, farto! Quero ser uma bisca oculta e de infinito valor, quero ser um rei tomado por alguém que conta, que vale alguma coisa, que tem importância. Quero ser um ás apostado na altura certa, um ás que muda o rumo predefinido deste vício de jogar. Quero ser tudo, e se-lo-ei.

A dúvida.

É bem possível que eu não consiga começar a trabalhar, e provavelmente o melhor é não pensar nisso e aproveitar o que tenho. Quando for necessário trabalharei. Nada me poderá impedir de o fazer. O último livro é bom e o próximo tem de ser melhor. Estes disparates que fazemos são tão engraçados, embora não tenha já bem a noção, onde acabam os disparates e começam as coisas sérias. Não é bom sinal. Durmo calmamente e vocês também, presumo. Não foi preciso vender nada para ter o dinheiro. Tudo o que me disseram sobre o dinheiro é verdade, de facto tudo é verdade. - "Durante algum tempo tudo estará contra ti." - Foi o que me disseram. E é verdade.