Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril 24, 2016

Crime e Castigo para um Crica Qualquer

- Transcrito a partir de texto recebido por e-mail -

"A condenação ficcional de Humberto Crica vale como expiação simbólica da "culpa humana" pelo desperdício do tempo de vida e a consequente apatia moderna que nos destrói lentamente. Ele (o Humberto) não pode ser deste tempo veloz de agora, mas, na verdade, muitos de nós também não o queremos ser. A sua perplexidade face ao mundo "real" onde se enquadra, tão genuína quanto desastrosa, ilumina a enorme distância que medeia entre a responsabilidade individual de se insurgir contra si mesmo, e a culpa colectiva, de lhe assistirmos à morte anunciada. A sua inércia, de algum modo ilumina-nos para não lhe repetirmos os erros. É o grande valor deste livro, mais até que o chavão do flagelo do Cancro. Entre o significado prático e instrumental da sua vida desperdiçada, a condenação natural da justiça e os tortuosos meandros da consciência, do amor, e da subjetividade. Humberto redime-nos a todos. É esta redenção que faz…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

RESERVADO AO VENENO

Hoje é um dia reservado ao veneno 
e às pequenas coisas
teias de aranha filigranas de cólera
restos de pulmão onde corre o marfim
é um dia perfeitamente para cães
alguém deu à manivela para nascer o sol
circular o mau hálito esta cinza nos olhos
alguém que não percebia nada de comércio
lançou no mercado esta ferrugem
hoje não é a mesma coisa
que um búzio para ouvir o coração
não é um dia no seu eixo
não é para pessoas
é um dia ao nível do verniz e dos punhais
e esta noite
uma cratera para boémios
não é uma pátria
não é esta noite que é uma pátria
é um dia a mais ou a menos na alma
como chumbo derretido na garganta
um peixo nos ouvidos
uma zona de lava
hoje é um dia de túneis e alçapões de luxo
com sirenes ao crepúsculo
a trezentos anos do amor a trezentos anos da morte
a outro dia como este do asfalto e do sangue
hoje não é um dia para fazer a barba
não é um dia para homens
não é um dia para palavras 
António José Forte