Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro 1, 2012

Noite dos Reis

Muito lentamente, aproximo o pequeno copo, oblíquo, ao centro da minha boca. A outra mão, mais triste ainda, faz circunferências desinteressadas sobre o prato florido que acolhe a rabanada que escolhi para comer nesta noite. Por instantes, atravesso o olhar pela janela azul, que já não mostra bem a cor da noite, mas, que ainda não recebe a luz do dia. Sinto uma enorme falta de agasalho no corpo, cerro os olhos e sei que não é frio aquilo que sinto. A memória conhece estes gestos, estas tremuras, mas faz de propósito por olvida-los e mistura-os sem pressa no desfiar deste tempo, deste dia, certa de que já não importam tanto como quando era menino, na sua infância. A memória sabe que já nada é igual, e o corpo corresponde, obediente, caindo numa apatia de desânimo. Horas antes, a família levou-me a ver a chegada dos reis ao bulício do pequeno adro da igreja da lapa - Temos de ir, é tradição. - dizem-me os meus filhos. E eu lá fui, arrastado. - É tradição. - disseram-me, e pensei se lhe…

Quem és tu?

Quem caminha sempre a meu lado, e sabe todos os nomes do meu corpo? E sozinha, constrói pilastras sólidas de vento, com as conchas que recolheu na praia da minha alma? Quem foi que assim me acolheu? Quem veio de longe chorar por mim, e tornou próximo o meu desânimo, como se fosse seu. E nem emitiu um só suspiro de enfado? Quem entende onde eu começo e porque acabo, e não censura nem aprova a infíma minúcia do meu mais infiel intento. Quem? Quem me grita com paixão e me susurra com calma, e condensa toda a ternura do mundo em suas mãos, para depois a entregar, assim, num oceano infinito de canções e de afagos? Quem carrega junto ao peito os meus espinhos? e aí faz florir a mais bela rosa. quem me atura as impaciências e os desalinhos, e empresta seus ouvidos ao desfiar da minha prosa? Quem me ouve a angústia do desespero, e a sirene espavorida de seus irmãos, as tremuras, os desgostos, as invejas e a dor, as manhãs aborrecidas e as noites sem esmero. Quem?  Quem me impede o avanço certo da demência? Quem me tr…

Apresentação do "Governo Sombra" em Lisboa

Muito me agradaria poder contar com a vossa presença... Apareçam, venham conhecer o Governo Sombra.