Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março 6, 2016

Beber mata os Anjos novamente.

Onde estão todos os anjos guardadores,
que me prometeram em menino?
Desbaratados...
Fugidos em terror, dos meus mais íntimos cercados,
andam tristemente a monte e sem sorte.
Não restou um sequer que fosse digno desse destino.
Encontrei-os a todos, ontem,
reunidos, numa noite de descobertas,
enquanto sonhava com o Marlon Brando
de um tempo anterior à sua morte,
e afligia aos gritos, o resto dos incréus moradores.
Desbaratados,
num espaço sem fim, sem ar respirável.
Quiçá só um fumo sem origem ou comando
ou um miasma reluzente,
aqui debaixo, dos lençóis e das cobertas.
E o tempo a estender-se como uma mão que cobre.
Há que vencer este tempo tão pouco admirável!
Desbaratado,
anseio pela grande partida, por viajar, por ser crente.
Fazer um safari pelas nuvens já desprovidas e saneadas
de anjos, selvas e pagodas.
Desertar todos os ninhos e a felicidade que sobre.
Encontrei-os nus sabem? Tremendo, como virgens recém violadas.
E ri-me tanto, Ah, rir é coisa de quem nunca desmente.
Pode-se fingir …

Um dia para pensar em ser melhor do que Sou.

Como em muitos outros dias forçosamente celebratórios, o da mulher, deixa-me naturalmente apreensivo; senão vejam, o sofrimento, deveria aqui pesar alguma coisa fora de qualquer tabela periódica geracional, deveria ter o seu específico peso, como um mineral o tem, ainda que posto inexistente na tabela de dias excelsos por serem apenas dedicados, em vez de serem transladados ao ano inteiro, como a felicidade havia. Sofro da má condição de não ser mulher! - Não é nenhum trauma que me conduza à cirurgia extrema, é somente uma constatação sediada na minha adulação por estas. Em cada dia dos meus anos só me apetece abrir uma prenda, e é sempre a mesma, a dela. Isto não tem graça nenhuma e eu recomendaria que lesses outra coisa qualquer. Tomem um banho quente e leiam Anais Nin: "Não vemos as coisas como são: vemos as coisas como somos." - É verdade. - Ide por aí a amontoar flores num cesto vazio no meio de um matagal e vereis a condição exacta dos Homens. Que absurdo género! E nem s…