Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro 8, 2017

Piquenas estórias de amore X

- Porquê? - Responde-lhe em contra-golpe. - Porque foi aí que me acertaste com os mesmos estiletes ainda ensanguentados de antes, as cuspidelas de distração...em cheio, com esse teu "amor". Aqui está o porquê. - Nunca conheci ninguém como tu. Não tens coração, ponta de amor, empatia, nada. - Tenho sim, mas ninguém o quer da forma que o dou. Toda a gente só quer muito o amor que dá, pouco, o amor que recebe, se achar um pintelho de diferença entre estes. Se existir um grão que seja nesta engrenagem, deixam as flores de crescer, apodrece tudo num instante. O amor é a forma mais natural de desentendimento. - O desamor, queres tu dizer.  - Não, não. O amor mesmo. Não há razão alguma para se inventar uma palavra que lhe prefixe o oposto daquilo que já é. - Estás a dizer que toda a gente é egoísta, como tu mesmo, e assim incapaz de amar quem não nos ama igual? - E não é? Quando nos conhecemos éramos uma imensa terra fértil, cheia de potencial, depois, lentamente fomos plantando p…

Até a eternidade...

(...) 
Há uma presença forte em alguém que se mantém calado: são as rugas do rosto e os cantos da boca que falam sem ser por palavras.Tivemos ali uma conversa inteira em dez segundos de silêncio.

Pelos caminhos apodrecidos.

O Outono deixa-me os olhos mais rápidos sobre os livros e perde-me sempre de propósito o bom discernimento atirado ao acaso em tudo o que li pelas ribanceiras traiçoeiras. Bebi três litros de uísque de malte e por isso caí. Na cumeada a galope escorreguei e caí.  Lá em baixo, desempedrando os dignos monstros às vezes só por graça de neles me perder,  passei a eito o título e a dedicatória e abandonei páginas em branco em busca do embate desprevenido da fecunda gavinha. Só que as pessoas que escrevem são todas matreiras mentem em cada fôlego que os faz nascer, enganam-se muito, riscando as regras da busca do escaparate. Logo na primeira pagina fazem amor os personagens que enfadonha decepção! Fumo um charro em sua memória. Mas vim a saber que tinham os sonhos cheios de pedra e solidão e por isso se punham unidos de todas as maneiras. Três passos ou páginas e alagam-se logo de beijos figurados, quando já eram outras horas. Outra história e o tempo só uma rima de verbos acabados. O Outo…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

As crónicas do Senhor Barbosa

A solidão apoia-se numa só perna, e o senhor Barbosa, que não dorme há dois dias, perfurou com os seus dedinhos as parecenças e projecções de outros lugares que muito mal o receberam. Mal sai do pé da janela, a sua natureza é estática, mas só no corpo, (a cabeça não pára de crescer em ideias) e quando o faz, aprecia apenas ser bem recebido. Ali só sentiu medo e desprezo e confusão. O senhor Barbosa rodopia sobre si mesmo com a confusão que lhe atiram para cima. Parece uma mosca a quem arrancaram as asas por ciúme ou por rancor. Rodopia e rodopia... Acaba por rodopiar demasiado, ficar tonto e cair desfalecido. Pobrezinho! Sabe lá o que são as coisas normais. Se soubesse, não estaria sozinho. No fim vomita de náusea e julga-se doente no seu perfil psicológico, sente espasmos ao nível da existência, do desfasamento unilateral nas costelas, e pôs-se a escrever cartas aos filhos, incapaz de alinhar logicamente os filamentos para o seu futuro.  Nenhum vizinho alguma vez percebeu porque andav…