Avançar para o conteúdo principal

Sou da Parte que é a Favor de ser do Contra.


Ignoro saber se serei capaz de me colocar a jeito para a represália de alimárias mais primitivas. Aquelas de peito já cheio por regra e cabeça rapada por dentro, entouçados ao contrário para garantir que só o mineral mais sujo aí prospera. Mas não os rejeito. Abraço-os até, isto, se vierem aqui. (alguns aparecem, e logo esbracejam imenso pelos dedos ansiosos de babuínos, atirando fezes ao desbarato por todo o lado. Todavia, tão depressa quanto largam a sua carga de fel, desaparecem - atentem, não sou eu quem os apaga, são eles próprios que se esvaem em um nada, após a descarga dos vitupérios pestilentos.) 
De facto, desconheço se terei eu mesmo algum peito erigido em bravura, pronto a receber essas pancadas brutas. Mas, admito humanidade e por isso reconheço as minhas fraquezas, esta é só uma da longa lista que me faz homenzinho todos os dias.

Duvido muito da minha ousadia sim, mas escrevo-a, porém, na habitual purga que a alma necessita, naquela rotina contínua da auto-limpeza de espírito, perdem-se vários pedaços do que somos, até que um dia perdemo-nos totalmente e deixámos até de ser aquilo que éramos inicialmente. É muito triste isto. Ninguém nunca haveria de se evaporar enquanto se limpa da merda dos outros. Só a merda precisa de desaparecer, só esta. Pode dizer-se NÃO, paulatinamente, com muitos tons e efeitos, acho-o redutor. Dizer NÃO sempre impede a vida de avançar seja para onde for. Para tantas vezes em que nos falta a voz, o NÃO parece substituí-la, assim aparenta ao ouvido do interlocutor. Ou, conquanto digamos o que nos apetece dizer, a estes, soa igual. E imediatamente surgem os brutamontes da razão, certos de que poderão dizer aquilo que lhes apraz dizer só para se certificarem que eles é que estão certos, e que é preciso rebaixar sem demora os que dizem qualquer coisa que seja do contra. A certeza na razão não contribui para redenções à priori, e, em casos particulares, até ajuda na diminuição da lucidez. 
Há sempre quem o faça, nas pequeninas voltas do dia ou de frente para um carreirinho de tanques. São estes quem nos lembram que, se a evolução iluminou o cérebro para algo desperdiçou o seu tempo aqui.

Enfim, todo este engonho é só para saber: quem é que realmente lê esta coisa que aqui renovo de tempos a tempos? 
É certo que já lancei esta questão antes, e que, sobretudo, a mantive presente constantemente quando ainda mantinha presença regular no Facebook, todavia, a minha farpa obsessiva-compulsiva não me deslarga os calcanhares da pergunta: Quem, é que lê este blog e se interessa?
Tenho somente 35 seguidores! O melhor é corrigir para não aparentar o pessimismo mais aberrante; Tenho 35 seguidores! Uau?

Não tenho peito só para brutos, gostava tanto de ouvir outras perguntas, opiniões, comentários...É tão simples. Basta fazerem de conta que isto é uma espécie de Facebook particular e postarem um comentário. Só isso. Serão capazes de fazer isso por mim?

Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…