Avançar para o conteúdo principal

Mr. Hyde


Vim a saber que sou um pulha!
Descobri-o entre e entretanto o dia do meu aniversário, o pior de sempre em quarenta seis contados com atenção.
Bolas! Sempre me vi como um bom cabrão egoísta. Foi uma grande decepção descobri-lo assim. Pensei que os cabrões egoístas também mereceriam qualquer coisa de vida. Alguns instantes de bonança. Um valente cabrão não é nenhuma bomba suja, algum nazi em evolução, daqueles terroristas que só são bons para se descarregar explosões pálidas de raiva em cima. Brutalidades verdes de verdadeira cólera, cegas, protegidas pela virtualidade. Afinal são e sou. Mas enfim, atirem, atirem à vontade. Quer dizer, cabrão que seja, não me lapidem é no escuro, façam-no às claras, peço-vos. Se for para levar porrada prefiro que se vejam as medalhas roxas. Saber que sou um pulha também é um bónus talvez. Algum prémio demoníaco inusitado. Sou cabrão só às escondidas, como uma identidade secreta, na vida real sou um pó inócuo. - Em boa verdade prefiro ser um pulha!
É do que escrevo, dizem-me. De que mais haveria de ser? É de lá que me vêm as cuspidelas. Que não faço ressonância senão nos outros pulhas e nos canalhas e nos filhos-da-puta. Que nunca encontro os caminhos nivelados da consignação. Que chatice! Logo eu que nunca procurei nenhum mecenas ou lambi fosse o que fosse duro ou mole que me trouxesse benefícios. Caramba! Vir a saber que mesmo assim sou um pulha, é quase tão trágico, que chega a ter piada.
Então não gostam do que escrevo? Ou não gostam do que sou? As duas coisas nem sempre se intersectam, sabiam? Pronto, não faz mal.
Andam dez mil aqui ao lado a escreverem também, é só avançarem em frente e certamente encontrarão quem vos faça desfalecer de puro júbilo. Aqui é território da minha cabeça, que é egoísta sim, mas ao menos é minha, não faz parte de nenhum fraco avanço da humanidade. Penso por e com ela e dela sai o que escrevo. Ide-vos sim? Ide ler, por exemplo, o Pedro Chagas Freitas que é tão bonito e bom rapaz e escreve todos os aforismos estapafúrdicos do amor excelso cheio das palavras certas que é o que quereis ler afinal.
Eu, sou só um miserável pulha, que fiz anos ontem. Obrigado. Parabéns aos pulhas, vá, que também precisarão de existir em algum lado.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…