Avançar para o conteúdo principal

Mr. Hyde


Vim a saber que sou um pulha!
Descobri-o entre e entretanto o dia do meu aniversário, o pior de sempre em quarenta seis contados com atenção.
Bolas! Sempre me vi como um bom cabrão egoísta. Foi uma grande decepção descobri-lo assim. Pensei que os cabrões egoístas também mereceriam qualquer coisa de vida. Alguns instantes de bonança. Um valente cabrão não é nenhuma bomba suja, algum nazi em evolução, daqueles terroristas que só são bons para se descarregar explosões pálidas de raiva em cima. Brutalidades verdes de verdadeira cólera, cegas, protegidas pela virtualidade. Afinal são e sou. Mas enfim, atirem, atirem à vontade. Quer dizer, cabrão que seja, não me lapidem é no escuro, façam-no às claras, peço-vos. Se for para levar porrada prefiro que se vejam as medalhas roxas. Saber que sou um pulha também é um bónus talvez. Algum prémio demoníaco inusitado. Sou cabrão só às escondidas, como uma identidade secreta, na vida real sou um pó inócuo. - Em boa verdade prefiro ser um pulha!
É do que escrevo, dizem-me. De que mais haveria de ser? É de lá que me vêm as cuspidelas. Que não faço ressonância senão nos outros pulhas e nos canalhas e nos filhos-da-puta. Que nunca encontro os caminhos nivelados da consignação. Que chatice! Logo eu que nunca procurei nenhum mecenas ou lambi fosse o que fosse duro ou mole que me trouxesse benefícios. Caramba! Vir a saber que mesmo assim sou um pulha, é quase tão trágico, que chega a ter piada.
Então não gostam do que escrevo? Ou não gostam do que sou? As duas coisas nem sempre se intersectam, sabiam? Pronto, não faz mal.
Andam dez mil aqui ao lado a escreverem também, é só avançarem em frente e certamente encontrarão quem vos faça desfalecer de puro júbilo. Aqui é território da minha cabeça, que é egoísta sim, mas ao menos é minha, não faz parte de nenhum fraco avanço da humanidade. Penso por e com ela e dela sai o que escrevo. Ide-vos sim? Ide ler, por exemplo, o Pedro Chagas Freitas que é tão bonito e bom rapaz e escreve todos os aforismos estapafúrdicos do amor excelso cheio das palavras certas que é o que quereis ler afinal.
Eu, sou só um miserável pulha, que fiz anos ontem. Obrigado. Parabéns aos pulhas, vá, que também precisarão de existir em algum lado.

Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…