Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto 7, 2011

Preciso de ti Aqui.

Se tu viesses ver-me eu era um homem rico,

nesta hora do final da manhãzinha.

Abrir-te-ia a porta e entraria teu sorriso,

pequeno, fresco e belo, aquele que eu suplico,

que um dia distante que nem se avizinha,

me traga por fim aquilo que preciso.

Finalmente, Paz!

O pequeno conto que poderão ler a seguir, faz parte do projeto: EU AMO ESCREVER organizado pela editora do Rio de Janeiro Livros Ilimitados e pela empresa de moda Cantão. Destina-se a selecionar 10 contos de todos aqueles enviados, para publicação e atribuição de um prémio: Um iPad! Claro, que na fase inicial de pré-seleção, todos os contos confirmados, só passarão à fase seguinte se reunirem um número suficiente de votos populares, daqueles que visitarem a página do Eu Amo Escrever! Conto convosco... Procurem pelo conto Finalmente, e se gostarem do que vão ler a seguir, Votem!
Fez mórbidos preparativos naquela manhã, para o desfecho há muitos anos congeminado na sua mente de homem perdido. O Caminho de pedregulhos polidos levava-o a um nicho recatado, mais além da língua de areia da rampa dos Socorros-a-Náufragos, pelo paredão comido por anos e anos de rebentação sistemática, de ondas gigantes de inverno, aí, num cantinho de pescador, Benito, deixou de olhar para trás. Nesse pont…

As memórias de uma nuvem.

Perigosamente conto as memórias de uma nuvem.
Quando nasceu, não mais que um pingo, uma gota,
que pingou e respingou,
foi levada na corrente e resvalou,
caiu bela e dispersa, e quando chegou,
por fim ao seu destino,
notou...
que não tem fim.
E subiu, elevada em vapor brumoso,
juntou-se a outras,
amigas de infância,
pingas e pingas e pingas,
e gotinhas amigas de correrias,
companheiras de rodopios,
levadas ao longe por rios,
tragadas por tantas águas e mares e por fim,
juntas, de novo juntas,
na nuvem que passa.
Não uma, mas um bando delas,
dando o ar da sua graça.
E lá ao longe, mais além,
eis que se acinzenta todo o céu,
e cá em baixo todos fogem ao abrigo.
Aquela nuvem, agora fria de tristeza,
descobre por fim o fim do seu destino.
Não ter um amigo.
Cá em baixo, quem a recebe de bom grado?
Ninguém, ninguém,
nem eu,
é assim a natureza.
in: "Poemas por Tudo e por Nada" Corpos Editora 2011

Associação Helpo

Este é o Luís Abraão..! O Luís Aparenta ser uma criança simpática e risonha. Vive com os pais no bairro de Impiri, no distrito de Pemba - Metuge, a cerca de 60 km.da capital da Província de cabo Delgado, Pemba, em Moçambique, numa casa de condições precárias, construída com materiais locais, sem acesso a saneamento básico ou energia elétrica. É uma criança saudável e frequenta a 1ª classe na escola primária de Impiri. Os seus pais são camponeses, e apesar da tenra idade, o Luís também ajuda a família em algumas tarefas do quotidiano. O Pai do Luís inscreveu-o no Programa de Apadrinhamento à distância da HELPO, para que ele pudesse ter acesso a uma instrução regular...e eu, eu Apadrinhei-o. O Luís é agora meu afilhado!  E Graças à Helpo, também você pode ajudar uma criança em Moçambique a esboçar um sorriso tão bonito quanto o do Luís. Experimente!
Associação Helpo - Organização Não Governamental para o Desenvolvimento Rua Manuel Joaquim Gama Machado, nº4 2750-422 Cascais T…

Negócios da China.

A imagem que estão a ver, é Zhenjiang, uma cidade na China, conhecida como o lar do Agri-Doce, situa-se na encruzilhada do terceiro maior rio do mundo, o Yangtzé, e a razão pela qual decidi mostrar-vos esta cidade, deve-se ao facto de ser daqui que provêm cerca de 80% dos chineses residentes em Portugal. E o que faz com que estes pequenos amigos amarelos, de uma província do Sul da China venham cá parar em tão grandes quantidades? A resposta é muito simples. Porque podem. Aqui a nossa parvalheira, é um autêntico paraíso para este povo desconfiado e industrioso que chega a trabalhar por vezes, setenta horas por semana, para nos poderem impingir aqueles produtos de qualidade duvidosa que vendem nas mais de 5000 lojas espalhadas pelo país fora. E quantos chineses existirão em Portugal neste momento? Ninguém sabe ao certo, apesar das estatísticas apontarem para 11 mil, no seio da comunidade destes queridos asiáticos, o consenso aponta para mais de 20 mil! A maior concentraçã…

..viajar pela leitura...

O meu "primogénito" - Poemas por Tudo e por Nada -, em destaque no excelente blogue literário da Paula, ..viajar pela leitura.. É sempre um prazer deparamo-nos com estes momentos de puro altruísmo entre quase estranhos. São atitudes destas que tanto incentivam um jovem autor a subir a difícil e longa escadaria deste competitivo mundo da literatura. Um grande abraço Paula e espero que goste da minha poesia. A Ler
Poemas Por tudo e Por Nada de Casimiro Teixeira

Sobre os devaneios do Humberto...

"Enquanto fazia um esforço descomunal para conter o movimento arfante do peito, levou aí a mão, certificando-se que a carta do médico ainda se encontrava dentro do bolso interior do casaco depois de toda aquela correria galopante através da ventania. - O que foi? – Inquiriu-lhe a mulher. – Não me digas que estás mesmo mal do coração por causa de uma corridinha sem importância? Humberto amaldiçoou mais uma vez a sua condição de picuinhas. – Se não tivesse que me certificar ela nem teria dado por nada. Maldito crica!

O infinito

Longe de ti, é ermo o infinito, longe de ti, nem há caminho de volta. A saudade é tanta que nem a permito, e a dor corre-me cá dentro solta.

Maldito calor!

Este calor do diabo, derrete-me mais a paciência do que a gordura do corpo. Queima-me mais o juízo do que propriamente a pele. Detesto tudo o que vem em ondas de excesso, e o calor não me escapa à miudeza do ódio.  Como não fui construído num molde preparado para isso, evito-o como a praga que ele é. Abaixo o calor, para o Inferno com ele, que é aí o seu lugar. Que venham temperaturas mais amenas antes que me estoure o cérebro de tanto o odiar. Tenho dito!

Tudo menos isso..

Caro Senhor Meu Deus,
Ouvi recentemente um muito alarmante rumor, que me transtornou o espírito. Constou-me que Pensas descontinuar a produção da Mulher, retirando do mercado todo o stock existente. Ora, bem Te sei Todo-Poderoso e Omnisciente, mas Hás de convir que essa Tua decisão, de todas as que já Tomaste desde o Alfa e do Ómega, é a coisa mais digna de apontamento. Sempre fui Teu fiel devoto, e longe de mim, Ó Criador, vir-Te agora questionar por tudo e por nada, mas, logo a mulher Senhor?