Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março 27, 2016

Antes queria que um Dinossauro me fosse ao cú!

O Povo diz sempre coisas muito bem ajustadas às determinadas situações, derivadas de milénios incontáveis de sabedoria popular acumulada. Exemplos são desnecessários aqui, pela sua redundância. Cada um integra o seu próprio povo interior, e por isto mesmo, cada um também açambarca a sua própria sabedoria hereditária. Mas isto só vale se distante do "dia das mentiras" - por isso escrevo-o hoje e não ontem - Cada verdade pessoal necessita dessa distância ao teatro comum dos dias enganadores, que, infelizmente, já nem se restringem apenas ao 1º de Abril. O Facebook (odeio-o ou odeia-me ele) é o melhor exemplo desta coisa insidiosa de se dizer sem alma de sabedoria passada, sem a constância de uma observação prolongada. - Diz-se. Dizem-se coisas e até há quem as justifique depois, por acreditar que uma justificação vale pela verdade, por trás da encenação primária do que foi dito de início.   Esta estória de validade ignóbil, está repleta de campeões e detractores. Sem uma análise …

Diário ----- (Parte IV) - A Metamorfose é um bicho Egoísta e feio.

Meditava para algum lado, sustenido entre os novos dentes, por fim ancorados, a odiosa  barba crespa e a praça viciada pelo seu olhar do costume. Lá fora, só via pessoas metidas para dentro dos seus pensamentos, como se se atrevessem a ignorá-lo deliberadamente. 
A ele! Sim, a ele, um futuro de glória possível, sendo preterido daquela maneira, como se de um passado ultrapassado se tratasse. - Não podia ser! - Certos estômagos metidos nas suas próprias infâmias não nasceram para isto. O Mundo empurrado ao seu próprio rumo, e as suas pessoas só metidas em si, como se ele não estivesse crivado ali à janela? - Um novo-Cristo ignóbil, habilmente devastado pelas fomes consumidas em si mesmas. Quem se terá lembrado disto?  A lata de certos estranhos! Todas a viverem sem a devida necessidade subalterna, cada qual e cada coisa como epicentro de tudo só deles, que nojo! Os olhos implodiam-se-lhe, a garganta entupia-se com um vómito venoso imparável. A mera ideia deste desprezo desconhecido dos outr…

Sir Hitch Forever

Isto não há-de ser só para férreos aficionados, julgo eu, só para aqueles cinéfilos de quatro costados que ninguém ousa levemente questionar, ou muito molestar, com receio das consequentes chicotadas. Hitchcock conseguiu a proeza, ainda durante o seu tempo de vida, de se tornar um dos realizadores simultaneamente mais comerciais à época, sem perder nunca o rumo da boa selecção das histórias que decidia filmar, fazendo-o com uma mestria sem paralelo, dentro do seu género de eleição. Deste modo, atingiu o mais alto patamar da sua classe; deixou de ser um simples realizador empregue aos desmandos dos Estúdios, como assim aconteceu em Hollywood até meados dos anos 60, e tornou-se um cineasta para a eternidade.  Os seus filmes tem sido estudados e revisitados com frequência. Alvo de diferentes interpretações e publicações, seja em livro ou na forma cinematográfica. - É que, há tanto para se avaliar em algumas das suas obras-chave, que parece nunca se esgotarem os possíveis argumentos da s…

Jardins exaustos de Oliveiras e Folares

A Páscoa clama por renovação...

http://www.bubok.pt/livros/9752/Jardins-Exaustos-de-pele-e-Osso


4. Todos Os Dias A Contar De Hoje

Todos os dias,
apetece-me pousar os olhos num certo infinito
e partir destemido contra mim.
Poderia pintar o retrato exacto
do que sou, agora mesmo,
naquela brisa que me levou as páginas de um livro genial. 
Todos os dias
sonho com pássaros escritos
que me adivinham os vôos.
Despreocupados das noções mais elementares sobre o bem e o mal. 
Poderia escrever o relato exacto
do que sou
nas suas asas negras.
Seria um risco.
Porém,
De que outro modo se construiriam os sonhos?
Desalento?
já nem o permito.
Todos os dias observo
a luz a tremer, fechada sobre o ar,
covarde
cavando-me por dentro a respiração suspensa. 
E o peito só insiste e insiste em adornar
um fogo maior, de chama intensa,
um centro de lume.

Miro Teixeira
2015
"Jardins Exaustos de Pele e Osso"
Edição de Autor