Avançar para o conteúdo principal

As crónicas do Senhor Barbosa


A solidão apoia-se numa só perna, e o senhor Barbosa, que não dorme há dois dias, perfurou com os seus dedinhos as parecenças e projecções de outros lugares que muito mal o receberam. Mal sai do pé da janela, a sua natureza é estática, mas só no corpo, (a cabeça não pára de crescer em ideias) e quando o faz, aprecia apenas ser bem recebido. Ali só sentiu medo e desprezo e confusão. O senhor Barbosa rodopia sobre si mesmo com a confusão que lhe atiram para cima. Parece uma mosca a quem arrancaram as asas por ciúme ou por rancor. Rodopia e rodopia... Acaba por rodopiar demasiado, ficar tonto e cair desfalecido. Pobrezinho! Sabe lá o que são as coisas normais. Se soubesse, não estaria sozinho. No fim vomita de náusea e julga-se doente no seu perfil psicológico, sente espasmos ao nível da existência, do desfasamento unilateral nas costelas, e pôs-se a escrever cartas aos filhos, incapaz de alinhar logicamente os filamentos para o seu futuro. 
Nenhum vizinho alguma vez percebeu porque andava ali o senhor Barbosa, em roupão de banho, às voltas em frente à janela que dava para a praça. Rodopiava e rodopiava, feito um pião. Parecia movido por aquelas pilhas eternas, mas nem tinha dinheiro para as comprar. O senhor Barbosa de um lugar por onde nunca se imaginaria aparecer, emergiu uma circunstância que o abocanhou, cuspindo-lhe romance. Ficou estranho porque jamais lhe explicaram que o romance poderia ser assim. E assim por diante. Agora talvez os vizinhos já saberão um pouco mais sobre a sua inconstância.
Em tempos, e para os mais abismados, foi fazendo um desenho de si, até perceber que aquele lugar era só um abismo. Cada braço inerte escondia-se do outro atrás do corpo baço. Perguntou a quem passava embaixo: "Como se tem pé neste sítio?" Mas os transeuntes, alheios ao desequilíbrio que provoca tal arremesso julgaram-no enlouquecido e continuaram adiante sem lhe dar resposta. 
O senhor Barbosa chorou muito entre os copos, e chorou mais entre os cigarros seguidos. Até quis chorar entre vícios mais pertinentes na força do esquecimento, mas, por mais que pensasse, não conseguiu encontrar quem lhe vendesse esse oblívio. Um dia leu que os vícios nos davam humanidade e acreditou tanto que não resistiu a afogar-se neles.
Um salto a pé-coxinho pressupõe uma esperança de elevação, ao início, e um desânimo cansado, na queda. Ou será antes uma vontade de se lançar no vazio logo agrilhoada por uma réstia de teimosia? O espelho baixa-lhe os olhos, pois traz a ilusão de partilha na franqueza de um retrato cru. A outra perna diferente da da solidão tem cãibras, e o senhor Barbosa está tão cansado que hoje começou a beber às 09h00.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…