Avançar para o conteúdo principal

As crónicas do Senhor Barbosa


A solidão apoia-se numa só perna, e o senhor Barbosa, que não dorme há dois dias, perfurou com os seus dedinhos as parecenças e projecções de outros lugares que muito mal o receberam. Mal sai do pé da janela, a sua natureza é estática, mas só no corpo, (a cabeça não pára de crescer em ideias) e quando o faz, aprecia apenas ser bem recebido. Ali só sentiu medo e desprezo e confusão. O senhor Barbosa rodopia sobre si mesmo com a confusão que lhe atiram para cima. Parece uma mosca a quem arrancaram as asas por ciúme ou por rancor. Rodopia e rodopia... Acaba por rodopiar demasiado, ficar tonto e cair desfalecido. Pobrezinho! Sabe lá o que são as coisas normais. Se soubesse, não estaria sozinho. No fim vomita de náusea e julga-se doente no seu perfil psicológico, sente espasmos ao nível da existência, do desfasamento unilateral nas costelas, e pôs-se a escrever cartas aos filhos, incapaz de alinhar logicamente os filamentos para o seu futuro. 
Nenhum vizinho alguma vez percebeu porque andava ali o senhor Barbosa, em roupão de banho, às voltas em frente à janela que dava para a praça. Rodopiava e rodopiava, feito um pião. Parecia movido por aquelas pilhas eternas, mas nem tinha dinheiro para as comprar. O senhor Barbosa de um lugar por onde nunca se imaginaria aparecer, emergiu uma circunstância que o abocanhou, cuspindo-lhe romance. Ficou estranho porque jamais lhe explicaram que o romance poderia ser assim. E assim por diante. Agora talvez os vizinhos já saberão um pouco mais sobre a sua inconstância.
Em tempos, e para os mais abismados, foi fazendo um desenho de si, até perceber que aquele lugar era só um abismo. Cada braço inerte escondia-se do outro atrás do corpo baço. Perguntou a quem passava embaixo: "Como se tem pé neste sítio?" Mas os transeuntes, alheios ao desequilíbrio que provoca tal arremesso julgaram-no enlouquecido e continuaram adiante sem lhe dar resposta. 
O senhor Barbosa chorou muito entre os copos, e chorou mais entre os cigarros seguidos. Até quis chorar entre vícios mais pertinentes na força do esquecimento, mas, por mais que pensasse, não conseguiu encontrar quem lhe vendesse esse oblívio. Um dia leu que os vícios nos davam humanidade e acreditou tanto que não resistiu a afogar-se neles.
Um salto a pé-coxinho pressupõe uma esperança de elevação, ao início, e um desânimo cansado, na queda. Ou será antes uma vontade de se lançar no vazio logo agrilhoada por uma réstia de teimosia? O espelho baixa-lhe os olhos, pois traz a ilusão de partilha na franqueza de um retrato cru. A outra perna diferente da da solidão tem cãibras, e o senhor Barbosa está tão cansado que hoje começou a beber às 09h00.

Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…