Avançar para o conteúdo principal

Piquenas estórias de amore X


- Porquê? - Responde-lhe em contra-golpe. - Porque foi aí que me acertaste com os mesmos estiletes ainda ensanguentados de antes, as cuspidelas de distração...em cheio, com esse teu "amor". Aqui está o porquê.
- Nunca conheci ninguém como tu. Não tens coração, ponta de amor, empatia, nada.
- Tenho sim, mas ninguém o quer da forma que o dou. Toda a gente só quer muito o amor que dá, pouco, o amor que recebe, se achar um pintelho de diferença entre estes. Se existir um grão que seja nesta engrenagem, deixam as flores de crescer, apodrece tudo num instante. O amor é a forma mais natural de desentendimento.
- O desamor, queres tu dizer. 
- Não, não. O amor mesmo. Não há razão alguma para se inventar uma palavra que lhe prefixe o oposto daquilo que já é.
- Estás a dizer que toda a gente é egoísta, como tu mesmo, e assim incapaz de amar quem não nos ama igual?
- E não é? Quando nos conhecemos éramos uma imensa terra fértil, cheia de potencial, depois, lentamente fomos plantando pequenas sementes um no outro, vez por outra regávamos aquilo tudo a ver o que dali brotaria. O tempo passou e estas...
- Queres parar com as metáforas agrícolas. Isso é ridículo. Tudo isto é.
- É um bocado, aceito. Seria bom também que aceitasses o que te tento dizer..
- Não.
- Não?
- Não! Tu pensas e ages em função da tua ideia de domínio. Por isso consideras o amor um fascismo, és um ditador. Um patético ditadorzeco.
- E para quando a revolução? - Pergunta-lhe com os olhos muito abertos.
- O quê?
- Quando é que as pessoas começarão a dizer realmente aquilo que pretendem, em vez daquilo que ferirá o outro, só porque este não nos disse aquilo que gostaríamos que dissesse? Há liberdade no amor, alguma, qualquer uma?
- Estás a tentar confundir-me, fazes sempre isso. Emaranhas tudo. Não és capaz de dar uma resposta directa? Típico em um prepotente! Só sabes ser altivo e dominador.
- Eu não. O amor é que é. Se se assumisse logo à partida exactamente...
- É muito simples: ama-me para sempre ou parte já.
- Vês? E eu é que sou prepotente? Só o amor te faria dizer isso, mais nada. Não existe democracia no país do amor, só regras e compromissos e construções complicadas de estruturas frágeis, que podem cair em qualquer momento. Se me tivesses permitido continuar com a minha metáfora, verias que...
- Não.
- Sinto que já fizemos isto antes. Estou cansado.
- Não, não fizemos. Esta será a primeira e última vez que o faremos também. Descansa.
- Se ainda ao menos pudéssemos só falar...
- Não. Parte apenas, por favor. Deixa-me em paz.
- Assim que se cortam todas as flores pela raiz. Volta-se ao descampado?
- Não me interessa mais nada disso. Por mim poderás continuar a fazer as metáforas que queiras, desde que não me sejam dirigidas.
- Preto ou branco?
- O quê?
- Que o amor te pôs a ver tudo só a duas cores, sem nuances. Duas opções, dois opostos...ama-me ou não me ames. Ficas ou vais-te. Logo tu que viste o mundo inteiro quando foste nova. Que conheceste tanto, experimentaste tanto. Agora tornaste-te redutora como quase toda a gente. Sim ou não. Vida ou morte. 
- Morte!
- Oh, a morte é tão sobrevalorizada. A morte e o amor. A morte, o amor e as metáforas banais. E se conversássemos apenas?
Ela calou-se por um tempo longo. O silêncio quer responder a tanta coisa ao mesmo tempo, acaba por não dizer mesmo nada, pois não passa disso, silêncio.





Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…