Avançar para o conteúdo principal

Saudade de ver bons Filmes (XII)


Chegou por fim às salas de cinema, o muito aguardado (por mim pelo menos) "England is Mine", o filme que retrata a vida do icónico Morrissey, durante o período dos seus primeiros anos em Manchester, antes de vir a tornar-se o seminal vocalista e letrista dos "Smiths".


Produzido por Orian Williams, o mesmo senhor que nos apresentou "Control"- 2007 realizado por  Anton Corbijn, que brilhantemente nos explana a omnipresente obscuridade e queda de Ian Curtis, o saudoso vocalista da banda "Joy Divison", que se suicidou a meio dos seus vinte anos. "England is Mine", tenta repetir o mesmo feito, aplicando  igual fórmula a Morrissey, e, ainda que o cartaz promocional diga: "Captura perfeitamente o enigma por trás de Morrissey, o maior ícone da música Indie", o filme decepciona imenso fãs e curiosos por igual, pois sendo fiel à absoluta realidade do seu tempo de então, apresenta um Steven Patrick Morrissey, longe de se cumprir como a figura intemporal e conforme o modelo daquilo que viria a alcançar e ser, desde os primórdios dos anos 80 até hoje. Convêm ressalvar que este filme não é uma apreciação de fundo da formação e tribulações da banda "The Smiths", mas sim uma película focada no seu co-líder e vocalista, e infelizmente, apesar da intenção ser a de apresentar o que futuro lhe traria, nem mais ou menos nos aquece nessa direcção. Talvez "Control" tenha resultado porque Ian Curtis se suicidou e Morrissey continua bem vivo e a lançar novos discos. Talvez fosse supérfluo ou mesmo desnecessário fazer-se um filme verdadeiro sobre os primeiros anos deste segundo. Certas coisas ficam melhor se deixadas quietas. No fundo, mostra-nos um Morrissey banal, por vezes a raiar o irritante, mesmo quase frustrado com o mundo que o rodeia. Ok. Não há nada de mal nisto. Muitos bons artistas se frustraram ao ponto da desistência, antes de encontrarem o seu caminho e singrarem para a eternidade. E até acredito que Jack Lowden (sim, é o mesmo rapaz de Dunkirk) fez o seu melhor para retratar o sorumbático Morrissey, o insatisfeito, o sexualmente confuso, o quase distópico Morrissey a trabalhar em uma repartição, atirado à música para desbravamento das suas mais profundas frustrações. Certo. Fez tudo muito bem, e o filme biográfico que é, cumpre os requisitos básicos do género, mas, seria isto que esperávamos? Era este filme que o Morrissey, ou mais grandiloquente mereceriam os "Smiths"? Na minha perspectiva, não. É mais um documento de identidade que um filme. E para saber sobre a juventude do Morrissey poderia ir ao Youtube ver. Não era preciso terem desperdiçado tanto dinheiro a fazerem tal filme. Eu, como fã inveterado da banda e dele também, do próprio Morrissey, não estou minimamente interessado em saber sobre o que já imaginava. Queria era ser assoberbado e não me aconteceu quando vi o filme. Mais fiquei a ver este pequeno vídeo. E isto diz páginas e páginas sobre "England is Mine".


Cresci com os "Smiths", com o Morrissey a cantar letras perfeitas e o Johnny Marr a tocar aquela guitarra magnifica, cheia de contornos impossíveis e transcendentes. Esperava muito mais de um filme que trazia a emoção dos "Smiths" de retorno e falhou em cumpri-la. E é isto.

Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…