Avançar para o conteúdo principal

Saudade de ver bons Filmes (XII)


Chegou por fim às salas de cinema, o muito aguardado (por mim pelo menos) "England is Mine", o filme que retrata a vida do icónico Morrissey, durante o período dos seus primeiros anos em Manchester, antes de vir a tornar-se o seminal vocalista e letrista dos "Smiths".


Produzido por Orian Williams, o mesmo senhor que nos apresentou "Control"- 2007 realizado por  Anton Corbijn, que brilhantemente nos explana a omnipresente obscuridade e queda de Ian Curtis, o saudoso vocalista da banda "Joy Divison", que se suicidou a meio dos seus vinte anos. "England is Mine", tenta repetir o mesmo feito, aplicando  igual fórmula a Morrissey, e, ainda que o cartaz promocional diga: "Captura perfeitamente o enigma por trás de Morrissey, o maior ícone da música Indie", o filme decepciona imenso fãs e curiosos por igual, pois sendo fiel à absoluta realidade do seu tempo de então, apresenta um Steven Patrick Morrissey, longe de se cumprir como a figura intemporal e conforme o modelo daquilo que viria a alcançar e ser, desde os primórdios dos anos 80 até hoje. Convêm ressalvar que este filme não é uma apreciação de fundo da formação e tribulações da banda "The Smiths", mas sim uma película focada no seu co-líder e vocalista, e infelizmente, apesar da intenção ser a de apresentar o que futuro lhe traria, nem mais ou menos nos aquece nessa direcção. Talvez "Control" tenha resultado porque Ian Curtis se suicidou e Morrissey continua bem vivo e a lançar novos discos. Talvez fosse supérfluo ou mesmo desnecessário fazer-se um filme verdadeiro sobre os primeiros anos deste segundo. Certas coisas ficam melhor se deixadas quietas. No fundo, mostra-nos um Morrissey banal, por vezes a raiar o irritante, mesmo quase frustrado com o mundo que o rodeia. Ok. Não há nada de mal nisto. Muitos bons artistas se frustraram ao ponto da desistência, antes de encontrarem o seu caminho e singrarem para a eternidade. E até acredito que Jack Lowden (sim, é o mesmo rapaz de Dunkirk) fez o seu melhor para retratar o sorumbático Morrissey, o insatisfeito, o sexualmente confuso, o quase distópico Morrissey a trabalhar em uma repartição, atirado à música para desbravamento das suas mais profundas frustrações. Certo. Fez tudo muito bem, e o filme biográfico que é, cumpre os requisitos básicos do género, mas, seria isto que esperávamos? Era este filme que o Morrissey, ou mais grandiloquente mereceriam os "Smiths"? Na minha perspectiva, não. É mais um documento de identidade que um filme. E para saber sobre a juventude do Morrissey poderia ir ao Youtube ver. Não era preciso terem desperdiçado tanto dinheiro a fazerem tal filme. Eu, como fã inveterado da banda e dele também, do próprio Morrissey, não estou minimamente interessado em saber sobre o que já imaginava. Queria era ser assoberbado e não me aconteceu quando vi o filme. Mais fiquei a ver este pequeno vídeo. E isto diz páginas e páginas sobre "England is Mine".


Cresci com os "Smiths", com o Morrissey a cantar letras perfeitas e o Johnny Marr a tocar aquela guitarra magnifica, cheia de contornos impossíveis e transcendentes. Esperava muito mais de um filme que trazia a emoção dos "Smiths" de retorno e falhou em cumpri-la. E é isto.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…