Avançar para o conteúdo principal

A queda de um anjo triste.


Desafogados brilhos desta existência,
quis olhar em frente, e vi somente escuro.
Escuro, escória, lixo, lama e penetrante breu.
Quis seguir em frente e não mo permitiram.
Quis marcar presença, caí, e fui banido.
Quis viver, e fui marcado a fogo com o rótulo do nada.
Malditas palavras que me acendem esta vivência,
pudera eu ser livre, e não viver por trás deste muro.
Ser vento, ou poeira, e correr solto pelo esplendor deste céu.
Malditas palavras que de mim emergiram,
ainda mal as proferia, e já as via, abafadas em seu ruído,
como se fossem pássaros, abatidos em revoada.
Como eu mesmo, abatido assim, em tenra idade.
Mas sosseguem, pois sou coisa irritante que insiste em não morrer.
Malogrado pela estupidez do desprezo, sou, ainda assim,
Homem! Homem! Homem... Estou vivo, e não desabo.
Desafogado percurso que ainda mal começa,
não verás teu fim nesta desdita amordaçada.
Quis dizer o que quis, e não me faltou a vontade.
Mais fácil seria calar-me agora, do que deixar de viver.
Mas sou tolo, e não permito à apatia o ditar de um fim,
não permito que as palavras acabem no que eu, não acabo.
Pois que cada letra é um deslumbre sem sábio que a meça,
Cada palavra, uma ventania furiosa alevantada.
Malditas palavras que me fizeram tão bem.
Que culpas minhas posso eu vos atribuir?
Sereis vós a minha perdição desafogada,
ou mero instrumento rombo desta existência?
É bem certo...
Quis dizer, falar, gritar...quis ser mais do que simples poema,
E logo mas cortaram, ceifando-as como se fossem lixo.
Triste porvir deste mar invisível que, à força me arrasta,
que tudo carrega em tempestades que estão por vir,
que tudo magoa, tudo destrói, de tudo faz nada,
como se fossemos todos uma intermitência.
Falemos agora pois, ou, malditos, calemo-nos para sempre.
Maldita boca que fez sua a palavra malograda,
Maldita mão, que decepou a verdade escrita.
Que começou o caminho sem vislumbrar uma meta.
Começando o discurso, não há voz que lhe basta,
nem tampouco um silêncio que lhe possam pedir.
Malditos todos, os que, por estupidez se desgraçam,
Em adultérios de mentiras pela palavra acabada.
Porque eu, eu...ainda estou vivo,
E persisto em ser homem! Homem! Poeta...

Casimiro Teixeira - 2011

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…