Avançar para o conteúdo principal

O Horror dentro de todos.


Lamento a forma propícia, de quase profana alimentação sistemática de determinados egos dormentes, que a propagação de certas imagens suscitam. É quase como se aguardassem a iminência do horror para se mostrarem humanos pela primeira vez.
Lamento também a frase que escrevi antes desta, por pensar primeiro na acusação sumária e só depois, mais profundamente, na necessidade de se mostrar uma criança morta numa praia como mote para uma acção de choque.
Igualmente lamento a humanidade, eu incluído, sempre dividida neste dilema. Se prestarmos atenção, é fácil perceber que não há realmente uma guerra aberta entre mostrar e não mostrar. O que há é apenas um choque de desconfortos, que nada mais é que a discussão contínua sobre o entendimento do horror, e sobre a dúvida de se devemos ou não lavar as mãos nesta água suja e mudarmos imediatamente de imagem, ou nos forçar ao entendimento destas mesmas imagens, sujando-nos também no processo.
Já quase me havia esquecido, e lamento-o de igual modo, a decisão certeira e clara do General Eisenhower, comandante-em-chefe das forças aliadas durante a 2ª Grande Guerra em trazer as populações alemãs das localidades circundantes aos campos de extermínio judeu, até estes locais de horror, de modo a assistirem ao vivo, em forçado choque, ao que durante anos fizeram de conta que não era real, antes que estas imagens se dissipassem da memória imediata.
Hoje em dia já é mais fácil testemunhar, aliás chega a ser tão fácil que é preciso querer fazer sobreviver o choque no cérebro, para salvar pelo menos o esqueleto, os pilares da nossa civilização humana.
Porque o verdadeiro sentido de se mostrar o horror deve de ser este, e lamento ter de o dizer por baixo da minha própria linguagem de homem céptico, nem então, nem agora, nem depois, nos devemos de esquecer quão facilmente somos reduzidos à condição amorfa de assobiar para o lado. É uma imagem que nos faz calar de tanta dor e pena. É uma imagem que nos faz sentir impotentes. Que deve fazer-nos reflectir, sem nos fazer emudecer.

Se não viram ainda vejam. Se já viram, vejam de novo, que o horror só deveria existir para nos obrigar a caminhar direitos, como se fizéssemos um balanço interior e pensássemos: não seria bom se fosse a última vez?

Imagem: Reuters

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…