Avançar para o conteúdo principal

Lembras-te do Henri, na ponte?



Lembras-te da nossa ponte em Paris?

Sim, eu sei. 
Existem pontes a ligarem lugares em todas as pessoas do mundo, 
mas aquela ficou a ser o nosso cliché, a nossa difusa eternidade.
Soubemos da sua história, 
e que fora o Napoleão a levantá-la entre margens, 
imaginando que teria sido pelo amor da Josefina, que muito o achagava de ter de atravessar o rio a nado, vinda do Louvre.
Para nós, aquela ponte era a história toda da nossa única Paris.
Ouvimos o bradar da revolução das luzes ali mesmo, 
e choramos tanto quando a Maria Antonieta caminhou sozinha até à guilhotina, 
como naquele filme, lembras-te? 
Lemos o Hemingway e o Scott fitzgerald em cima daquela ponte, 
de mãos dadas, encostados aos aloquetes quentes.
Vimos o Picasso, o Modigliani a espalharem luz e cor, 
e até a minha tia que nos emprestou o apartamento, 
parecia ter um segredo na memória que não podia contar para ninguém. 
Recordas-te daquele homem que passava por nós, todos os dias, 
sempre de rosto embargado pela inclemência de alguma guerra interna? 
Como é que ele se chamava?
Henri, sim. Henri Langlois. 
Um dia, não aguentaste mais, 
largaste a minha mão, e foste a meio da ponte abraça-lo. 
Nunca mais esqueci aquele instante.
Como ele chorou nos teus braços acolhedores, 
parecia purgar algum pecado de amor a que se acometera 
ou a desolação de uma perda insuportável. 
Limpou as lágrimas e entregou-te o seu pequeno cadeado 
com a chave do seu mais valioso tesouro, ainda pendurada. 
Devia andar por ali há anos, 
só a aguardar por um abraço de um coração apaixonado.
E tu fizeste-o. Tu, e mais ninguém.
Viste-o partir depois, e ficaste parada entre o trânsito dos amantes, 
para sempre eternizada no rol de retratos inolvidáveis daquela ponte.
Em seguida, aproximaste-te, 
encontramos um espaço vazio e pusemo-lo ali, maravilhoso, 
pregado nas balaustradas
com um bilhetinho apenas, 
um poema escrito entre nós três e o seu amor perdido, 
e que dizia somente: 
"Sinto a tua falta, para sempre." 
Atiramos a chave ao rio e beijámo-nos.
Quase acertávamos em um barco que ali passava nesse momento.
Lembras-te de te teres arrepiado? 
Disse-te que foi porque o Outono estava a terminar, 
mas tu sabias porquê. 
O teu arrepio foi a esperança do Henri, a renascer.
Agora tenho medo que esses instantes se apaguem. 
O amor tornou-se tão comum nas palavras 
que se deixou de amar as pessoas, 
começou-se a amar só o Amor.
Pode-se até morrer assim, sabias?
Talvez seja por isso que Paris está a cortar os cadeados 
e a levá-los da nossa ponte. 
Caiu um pedaço até, com o peso de tantos amores perdidos.
O serviço do medo é esse, 
meter o irracional onde já não é possível subjugar o sublime.
Dizem que o peso daquele amor todo, preso nas barreiras, 
poderia matar todos os que já atiraram chaves ao Sena.
Não acredito.
E o Henri também não.

"Pont Des Arts" CHARLES PLATIAU/REUTERS



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…