Avançar para o conteúdo principal

A história da Albertina


Se te explicar que me acendes os céus
tão cedo me desocuparias os dez minutos que te mentem
sobretudo sobre a força da vontade.
Um estilhaço azul brilhante que passa,
mostra-me, não ser tão forte quanto o merecerias
e caio frouxo e sem alento
para fugir do fogo nobre do teu adeus.
Só penso em ti em cores que nem existem
e em barcos que fogem da barra da saudade.
Pergunta o motorista do carro de praça:
Conhece o senhor todos os preços e categorias?
Aceno que sim, mas é inútil, pois já nem tento.

Mais longe ficam-se as janelas perdidas na inocência,
a noite está triste como a vizinha solteirona,
e pela cidade espalharam mensagens, os poetas
que fica apagado o fogo da menina.
Malditos poetas que só sangram pelos braços,
e de suas línguas em parafuso, inclemente
destila-se a vergonha da minha abstinência.
Que fica a menina sozinha, ali sentada na poltrona.
Explico ao taxista que me leve de volta às pretas
mas ele, muito torcido, diz que aquilo não se faz à Albertina
que acende os céus com a força dos seus abraços
e trabalha de costas, a pequena, e muito arduamente.

Põem-se-me logo as pernas a boiar
que mau tempo é este que me atirou para a guerra?
Albertina, Albertina, vê tu a saudade que deixas
só penso em ti por uma nesga do que sou
o resto caiu abatido na dureza do motorista.
Albertina, lê-se nas ruas, deita fora o coitadinho
anda cá escrever nas costas das minhas correntes d'ar.
Cumpriu-se por fim a solidão que me aterra,
meu amor ficou esquecido, na rua por trás das ameixas.
Leve-me embora que a nossa história acabou
e como fica a menina onde o senhor nem pôs a vista?
Desocupada, respondo-lhe, à espera d'algum cavalinho.

Desenhos da prisão: Malangatana






Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…