Avançar para o conteúdo principal

Morrer ali mesmo ao lado.

Hoje em dia morre-se ao desbarato. - Quase parece o argumento daquele novo filme do Seth McFarlane, ou a brejeirice de um certo programa do canal Odisseia. Morre-se! Morre-se por tudo e por nada. É daquelas constatações fáceis de se fazer, não custa nada escrever isto - é quase tão fácil como matar, pois ultimamente, vê-se gente a morrer daquela mesma forma primordial de medo insensato, como se mata uma aranha que sobe sossegada pela cortina do chuveiro. Um golpe certeiro de uma revista enrolada e já está. Morta. Ufa... Por vezes, se tivermos sorte, até nem morre de imediato, e podemos apreciar o seu estrebuchar lancinante, - isso é que é - até aquele momento final. Isso até é do melhor que se pode esperar de um tempo básico de total brevidade de tudo, seja o que for. A rapidez do tempo até quase nos afasta a morte da memória, Quase. Nenhum canal de televisão nos mostra isto, o que acho de uma grande injustiça moral. O ser humano gosta da morte, mesmo que nunca o reconheça, pára ou abranda os carros nas estradas perante um acidente, é o mínimo que consegue perante uma imagem gratuita da morte, possível ou não, ele abranda e faz figas com todos os dedos mesmo que feche os olhos. Está-nos impregando no código genético. Se somos seres finitos, mas também, muito, muito competitivos, gostámos sempre de ver outros a picarem o cartão antes de nós, não é? 
Até achámos que existem demasiados chineses, indianos, polinésios, malaios e africanos e outros povos que nem aparentem qualquer semelhança caucasiana, a consumirem oxigénio neste planeta, e todas as tragédias naturais que lhes sucedam, e que aconteçam à distância de mais de quinhentas léguas marítimas, nos parecem exactamente assim, naturais. Coitados! Mas já se sabe. Era de se esperar. Só é de lastimar os pobres turistas no local errado na altura errada. O impossível.
Fomos sempre assassinos, como não o haveríamos de ser? Fomos criados para ser vítimas. Qualquer bicho maior que um rato nos aterrorizava, e por isso tivemos de desenvolver aquilo que mais falta nos faz nos dias de hoje: a inteligência!
O estranho é que de pouco nos vale à mesma. Desenvolvemos um cérebro enorme para depois o dividirmos em dois hemisférios: esquerdo e direito, e nos tornarmos reféns das emoções mais básicas. Inteligência? Bah! Milhões de anos de evolução, e continuámos mais bichos que os bichos. Matámos indiscriminadamente todos os diferentes, todos os insatisfeitos, toda proximidade daqueles que realmente nenhum mal nos fazem, excepto serem menos ou menores? ou simplesmente não serem nós.
Na verdade, nunca saímos daquela caverna ancestral. Continuámos em redor da fogueira a congeminar planos para suplantar a outra tribo que mata mais mamutes do que nós, ou até pior, involuímos para um tipo de mentalidade, em que a luta genética deixou de importar, e tudo agora se resume a uma atroz bestialidade sem sentido. Parece-me a mim que a humanidade caminha para a sua própria extinção. E, não será uma catástrofe natural a eliminarmo-nos da liderança deste mundo, não será uma outra explosão evolutiva de outra espécie, nem tampouco será um apocalipse viral incontrolável. Será única e exclusivamente, a nossa própria arrogância racial. Desapareceremos por mera estupidez.

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…