Avançar para o conteúdo principal

A inveja, essa mama flácida.

Se for correcto afirmar-se que a mentira tem perna curta, daquelas de saltos ortopédicos e tudo, então considere-se também a inveja como um perneta gradual, daqueles coitadinhos a quem tiraram talhadas atrás de talhadas de caminho progressista, até lhes restar pouco mais que dores fantasmas de amputados, e não pararem de resmungar impropérios por isso. 
A inveja transforma-nos em pequenos bufarinheiros de meia-tijela, alcoviteiros de tasco que tudo alvitram em arrojos opiniativos, mas, sem qualquer pujança de conteúdo no discurso. A inveja arreia em nós com tal força, que chega-se a sentir dores menstruais por cada petarda mal dirigida que enjeitamos. Combate-la torna-se um exercício fútil, somos seus escravos involuntários. Incapazes de suster o desgosto pelo bem alheio, parecemos cigarras indolentes nas suas mãos, ainda que suemos como verdadeiras formigas. É o raio de um peito flácido de intenções. Sim. Definitivamente, é uma daquelas tetas, onde ninguém haveria de querer mamar. Mas mama-se à mesma, é inevitável, somos só mamíferos humanos, e de tempos a tempos, mesmo de boca cheia, falha-nos a humildade como se fosse dinheiro.
Na arte por exemplo, não existe modéstia alguma, todos querem atingir o patamar do reconhecimento e da apreciação, e quem disser o contrário, é hipócrita, pronto. Fica desde já o dedo aqui levantado.
Ainda que o sucesso, esteja dependente de muitos factores, sendo o mais importante destes, a qualidade, manda-se tudo às urtigas antes mesmo de formular a mais relevante das questões: Tê-la-ei?  Ou será tudo isto uma valente perda de tempo? - Na escrita isto tornou-se mais válido do que sempre foi. As formigas continuam vivas e de boa saúde, mas por vezes parecem soterradas por um exército infindável de cigarras.
Por vezes escreve-se como quem diz: "Olha para mim!" - e poucos o fazem, pois quando se escreve com palavras que esgrimam vontades alheias, nunca se atinge o verdadeiro propósito da mensagem que se pretende passar, esfumam-se os conceitos da escrita, em misérias mal-articuladas que a ninguém interessa ouvir. E ninguém olha para ti, é uma lástima. Então, à inveja, junta-se a inevitável raiva. Mas isso já é assunto para outro texto bem mais furibundo.


"Ninguém é realmente digno de inveja, e tantos são dignos de lástima!"


Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…