Avançar para o conteúdo principal

A inveja, essa mama flácida.

Se for correcto afirmar-se que a mentira tem perna curta, daquelas de saltos ortopédicos e tudo, então considere-se também a inveja como um perneta gradual, daqueles coitadinhos a quem tiraram talhadas atrás de talhadas de caminho progressista, até lhes restar pouco mais que dores fantasmas de amputados, e não pararem de resmungar impropérios por isso. 
A inveja transforma-nos em pequenos bufarinheiros de meia-tijela, alcoviteiros de tasco que tudo alvitram em arrojos opiniativos, mas, sem qualquer pujança de conteúdo no discurso. A inveja arreia em nós com tal força, que chega-se a sentir dores menstruais por cada petarda mal dirigida que enjeitamos. Combate-la torna-se um exercício fútil, somos seus escravos involuntários. Incapazes de suster o desgosto pelo bem alheio, parecemos cigarras indolentes nas suas mãos, ainda que suemos como verdadeiras formigas. É o raio de um peito flácido de intenções. Sim. Definitivamente, é uma daquelas tetas, onde ninguém haveria de querer mamar. Mas mama-se à mesma, é inevitável, somos só mamíferos humanos, e de tempos a tempos, mesmo de boca cheia, falha-nos a humildade como se fosse dinheiro.
Na arte por exemplo, não existe modéstia alguma, todos querem atingir o patamar do reconhecimento e da apreciação, e quem disser o contrário, é hipócrita, pronto. Fica desde já o dedo aqui levantado.
Ainda que o sucesso, esteja dependente de muitos factores, sendo o mais importante destes, a qualidade, manda-se tudo às urtigas antes mesmo de formular a mais relevante das questões: Tê-la-ei?  Ou será tudo isto uma valente perda de tempo? - Na escrita isto tornou-se mais válido do que sempre foi. As formigas continuam vivas e de boa saúde, mas por vezes parecem soterradas por um exército infindável de cigarras.
Por vezes escreve-se como quem diz: "Olha para mim!" - e poucos o fazem, pois quando se escreve com palavras que esgrimam vontades alheias, nunca se atinge o verdadeiro propósito da mensagem que se pretende passar, esfumam-se os conceitos da escrita, em misérias mal-articuladas que a ninguém interessa ouvir. E ninguém olha para ti, é uma lástima. Então, à inveja, junta-se a inevitável raiva. Mas isso já é assunto para outro texto bem mais furibundo.


"Ninguém é realmente digno de inveja, e tantos são dignos de lástima!"


Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…