Avançar para o conteúdo principal

Contra os alemães marchar, marchar!

Sem querer, apanho-me sozinho num canto a acariciar sem despudor uma bola. Foi mais forte do que eu. Tive de o fazer, ainda que esta chiasse e chiasse enquanto fazia deslizar os meus dedos suados na sua superfície luzidia de couro e fio cosido, não me pude conter.
A seguir, ergo aos céus estes olhos maníacos de pecador, e imploro por ajuda, porque se Deus existir, não pode de certeza ser alemão. 
Inspiro longamente, intenso. Aquele respirar era meu, mas também podia ser o arfar de um trabalhador das obras que luta por chegar empregado ao final do mês, ou o sopro ligeiro de um rico, que até pode ser um bom pedaço de merda, mas hoje passa por ser português também. Do estudante inquieto que entrou de férias, da bailarina sedosa da mais rasca casa de strip, do reformado silencioso sentado no banco de madeira no centro do jardim coçando os enrugados, dos expatriados que nunca nos deixam durante a comunhão do jogo, da dona-de-casa despenteada, do secretário que vendeu a alma para manter o cu intacto, de todos, de todos os puristas, os fanáticos, os de ocasião, os que simpatizam e os que transpiram ódio amíude. Não importa, hoje somos todos fieis a este patrotismo de frémito, de unhas roídas, cerveja na mão e gritos de falsete. Eu sou todos estes. Podem até não me acreditar, logo eu que nem sei os nomes dos jogadores do Rio-Ave, quanto mais enumerar aquela multidão de estrangeiros do Porto ou do Benfica, sou eu mesmo também, que, em dias como hoje, trago na ponta da língua, todos os nomes e apelidos daqueles vinte e três moços que andam para ali a correr de um lado para o outro. É uma coisa sem explicação racional, que só consigo inferir ser pelo imenso orgulho que tenho de ser português. É deste privilégio, que me nasce a vontade de vestir cachecól e gorro de lã, lançar uma bandeira ás costas e sentar-me na pontinha do sofá, naqueles raros momentos em que não me encontro aos saltos e a apalpar uma bola, como se fosse um tesouro. No fim de contas, é isto mesmo: até podemos ter uma paixoneta pelo desporto, mas eu sou daqueles que, sem gostar grande coisa de futebol, tenho verdadeiro amor pela minha selecção. E quem poderá saber de que razões se faz o amor? Eu não.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…