Avançar para o conteúdo principal

# Hachetague # Matem-me agora, antes de voltar a escrever seja o que for.


Uma zona de conforto é um lugar maravilhoso, mas nada jamais cresce aí. Mesmo assim, não é fácil abandonar tal recanto para se entrar em um mundo selvagem, povoado de opressores em cada canto. É necessário uma certa efervescência de vontade, levantar os pés do chão, e antes de passarmos as nuvens, deixarmos os sonhos para trás, restabelecermos relações com a realidade e encararmos tudo com a mais profunda calma, como se fizéssemos um pacto de silêncio com a auto-determinação.
Se eu fosse um lugar seria assim, ou um lugar como acreditei que um lugar assim deveria de ser, teria sido deslumbrante e triste como uma faca a cortar livros de areia, e, em grande parte, ao acomodar-me nesse conforto ilusório, em efeito retalhando possibilidades ou trafulhices sentimentais por anos a fio de truques e tiques escritos sem grande impacto, fui-o, mesmo que só eu acreditasse que estaria confortável e foi por isso que falhei tão alto.
Sempre me maravilhou a literatura do realismo mágico, aliás, fiz todo o meu caminho até aqui nesse deslumbre tão inútil, tão estranho e imponderado, uma máquina incessante que me tirou as mãos do corpo e o corpo pareceu-me distante desse lugar e esse lugar tão afastado da Terra. Vim a descobrir que o novo mundo não me quer. Sou sujo e barulhento, inconsequente. E, por madrugadas infinitas de luz, esperança e aço senti-me formidável no meu confortável lugar maldito, mas vivia em um outro lugar, longe desse. Do lugar que imaginei que deveria de ter vivido.
Fui narrador e personagem, fui pai e filho, marido e amante, sonhador e louco. Matei-me e reconciliei-me com algumas emoções mais violentas. Nessa zona lancei barcos invisíveis e tão belos que ninguém neles quis embarcar, por medo de os destruir de tão frágeis que pareciam (quis acreditar). Não o eram, nunca o foram. Mesmo assim sentei-me por noites perdidas sem conta e escrevi o meu futuro, sem saber sobre o escuro que me iria cobrir eventualmente.
Não consigo mais. Acabou-se. Desligam-se-me as mãos devagar, e permito que o tempo me cubra de vergonha agora, se misture com o meu corpo, me entre pela boca me suba à cabeça e me execute mansamente enquanto o meu futuro se enche de longas esperas sem proveito.
Tem de haver sempre um momento onde se realizem os fracassos no espaço real de existência, onde se desmantela definitivamente toda a magia e se libertam as pombas brancas da desistência. Há que encarar tudo isto e deixarmo-nos de choradeiras, pois o mundo selvagem não tolera sonhadores de quarenta anos, mastiga-os e cospe-os e é assim que tudo termina, em um lugar real. Tão filha-da-puta real que nem o consigo imaginar ou escreve-lo. Por isso, 'hachetague' meus caros. 'Hachetague' tão actual e presente, que eu nem sei escrevê-lo direito.

 OMirojánãoescreveporranenhuma



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…