Avançar para o conteúdo principal

# Hachetague # Matem-me agora, antes de voltar a escrever seja o que for.


Uma zona de conforto é um lugar maravilhoso, mas nada jamais cresce aí. Mesmo assim, não é fácil abandonar tal recanto para se entrar em um mundo selvagem, povoado de opressores em cada canto. É necessário uma certa efervescência de vontade, levantar os pés do chão, e antes de passarmos as nuvens, deixarmos os sonhos para trás, restabelecermos relações com a realidade e encararmos tudo com a mais profunda calma, como se fizéssemos um pacto de silêncio com a auto-determinação.
Se eu fosse um lugar seria assim, ou um lugar como acreditei que um lugar assim deveria de ser, teria sido deslumbrante e triste como uma faca a cortar livros de areia, e, em grande parte, ao acomodar-me nesse conforto ilusório, em efeito retalhando possibilidades ou trafulhices sentimentais por anos a fio de truques e tiques escritos sem grande impacto, fui-o, mesmo que só eu acreditasse que estaria confortável e foi por isso que falhei tão alto.
Sempre me maravilhou a literatura do realismo mágico, aliás, fiz todo o meu caminho até aqui nesse deslumbre tão inútil, tão estranho e imponderado, uma máquina incessante que me tirou as mãos do corpo e o corpo pareceu-me distante desse lugar e esse lugar tão afastado da Terra. Vim a descobrir que o novo mundo não me quer. Sou sujo e barulhento, inconsequente. E, por madrugadas infinitas de luz, esperança e aço senti-me formidável no meu confortável lugar maldito, mas vivia em um outro lugar, longe desse. Do lugar que imaginei que deveria de ter vivido.
Fui narrador e personagem, fui pai e filho, marido e amante, sonhador e louco. Matei-me e reconciliei-me com algumas emoções mais violentas. Nessa zona lancei barcos invisíveis e tão belos que ninguém neles quis embarcar, por medo de os destruir de tão frágeis que pareciam (quis acreditar). Não o eram, nunca o foram. Mesmo assim sentei-me por noites perdidas sem conta e escrevi o meu futuro, sem saber sobre o escuro que me iria cobrir eventualmente.
Não consigo mais. Acabou-se. Desligam-se-me as mãos devagar, e permito que o tempo me cubra de vergonha agora, se misture com o meu corpo, me entre pela boca me suba à cabeça e me execute mansamente enquanto o meu futuro se enche de longas esperas sem proveito.
Tem de haver sempre um momento onde se realizem os fracassos no espaço real de existência, onde se desmantela definitivamente toda a magia e se libertam as pombas brancas da desistência. Há que encarar tudo isto e deixarmo-nos de choradeiras, pois o mundo selvagem não tolera sonhadores de quarenta anos, mastiga-os e cospe-os e é assim que tudo termina, em um lugar real. Tão filha-da-puta real que nem o consigo imaginar ou escreve-lo. Por isso, 'hachetague' meus caros. 'Hachetague' tão actual e presente, que eu nem sei escrevê-lo direito.

 OMirojánãoescreveporranenhuma



Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…