Avançar para o conteúdo principal

Chão


Não sei se te lembras de que dia foi hoje
Dos sonhos alcoólicos de grandes e-feitos
Das cirroses de nuvens de gomas
Se morreste também algures de ressaca
Tu que sorrias sempre com o fígado

Não sei
Se quando caminhas te lembras
De andarmos descalços sobre os mesmos vidros
As mãos umbilicais e os copos envaidecidos
Se quando caminhas
Nas ruas que hoje foram nossas
E hoje são de ninguém
Ainda saltas ou se te sangram os pés
Se pavimentaste o chão
Como fizeste com o mundo
Se já não vês o quadro
E não te lembras do Zeppelin de chumbo
Que atirámos ajoelhados ao espaço

Algo em mim não quis saber
Que quando florimos no deserto já éramos História
Que da dinamite que dizimou a paixão
Nasceria um peixe-lápis
(Quanto não pode um sinónimo contra um canhão)
E com ele desenharia esta salva de tiros em verso
Para que o teu chão e o teu mundo nunca esqueçam
O que teimas em esconder debaixo da pele
Mas a pele teimará para sempre em te lembrar

Rita Pinho Matos
in FLANZINE # 16 "Pele"
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.