Avançar para o conteúdo principal

As Crónicas do Senhor Barbosa IX



Depois de morrer, o interior do Senhor Barbosa nem apodreceu por dias e dias, como sempre acontece com todas as outras criaturas deste Reino natural de homens, bichos e flora tão despudorada, inseridos em algum ímpio crescimento desordenado.
Depois de morrer, ainda pareceu viver mais alguns anos e todos quanto o observaram assim o consideraram, pois, por conseguinte, era vivo que o sabiam, nunca morto, e aos vivos ninguém parece muito particularmente interessado em passar certidões de óbito precipitadas.
Depois de morrer, o Senhor Barbosa, ainda escreveu a sua própria elegia. - Esta! - Pôs-se à janela e começou a ditar palavras muito baixinho, e estas iam-se escrevendo por si até ficarem completas.
Nela, descrevia o seu fim prematuro, e quanto tempo precisaria para convencer os outros de que realmente falecera em virtude de tanto desprezo, tanto desrespeito pela sua simples condição eremita de Homem só! - Quando acabou apercebeu-se da inutilidade do que tinha escrito, mas, não o rasurou em excesso ou apagou completamente. Manteve-o escrito, porque sabia que só assim as coisas se manteriam eternas.
É que nunca quis nada retirado a ninguém em particular, nunca pediu grande coisa para si, nunca se inteirou também da sua crescente insulariedade, e em como esta lhe custou tudo. O senhor Barbosa andou a deambular invisível por um mundo onde já estava morto sem saber. Ao Senhor Barbosa só uma coisa importava, a consideração.
Talvez seja claro para muitos que os homens sós estejam vivos, apesar de tudo. Será talvez claro, porque rejeitam linearmente a existência de pessoas assim. A carne exposta consegue ser de uma resistência inaudita às investidas do desdém pestilento que a contamina. Mesmo a carne apodrecida, até a carne já morta. Apesar de já ter morrido há algum tempo, o Senhor Barbosa teve as suas fases de morte, e muitos até insistem em rejeitar essa clara putrefacção, mas ela existiu, e ele experimentou-as a todas. Talvez até seja verdade que esta condição rápida de existência, nem permita às multidões reconhecerem a morte nos Homens sós que já morreram sozinhos antes do seu tempo, apenas e só, porque não quiserem fazer parte deste desarranjo comum que a quase todos infecta.
Depois de morrer, o Senhor Barbosa não fez qualquer questão em criar mitos para si mesmo, só pediu um funeral de chamas e a eternidade. - Que não podia ser. - Disseram muitos na elegia. Que não podia ser porque a eternidade só está reservada para os excelsos, os capitães da glória, aqueles que estiveram vivos e mostraram cabalmente que a vida se faz de instantes poderosos, todos agregados em um dogma pré-estabelecido que assim os fará realmente eternos. Mortos ou vivos, os solitários não têm aqui lugar neste esquema tão hermético, e mais, aqueles que pensam vir a ser excepções a esta regra, acabarão piores. Completamente esquecidos, de propósito.
Depois de morrer, o Senhor Barbosa mentiu, e fingiu-se de vivo por mais alguns longos anos depois do seu funeral mental.
Mentiu cínico, foi hipócrita como um fósforo e depois realmente morreu para dentro, a sangrar pelos pulsos da alma ou pela goela silenciada, já não me lembro exactamente. Havia uma banheira escarlate na circunstância, e o Senhor Barbosa. O resto ficou na boca inexacta de quem eventualmente o encontrou. Por dias e dias, pensou-se que sofrera muito. Durante semanas e semanas, acreditou-se  ter sido medianamente louco. Por meses e meses e por fim, anos e anos, se descobriu finalmente que o Senhor Barbosa morrera muito tempo antes da sua própria morte.
Décadas depois, concluiu-se que os Homens até podem morrer assim. 
E que jamais serão referência do melhor da humanidade estes tempos, de agora.




Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…