Avançar para o conteúdo principal

Piquenas estórias de amore XI


Perdido em um mar cintilante de nevoeiro e solidão humana, encontra-se um pequeno lugar todo ele rarefeito e da cor do chumbo, que raramente recebe visitas de turismo.
Falecida a mulher, Mr. Olyphant, bom cidadão insuspeito, de cem quilos ou mais de carne conduzida só por vontade, realizou aí a viagem de comboio com que sempre sonhou.
Em proporção à cidade onde vive, este sítio pacífico de rocha imaculada sempre lhe soou como aquele singular brilhante de fancaria que atentamente observou excepcional, deitado à sorte de quem o perdeu, no piso armado a cimento bruto, que era o salão de baile onde a conheceu. Apreendeu-o como o extraordinário, em meio a uma desoladora circunstância de espaço reduzido, com tanta, tanta gente acotovelando-se na pretensão ou fingimento de que dançariam.
O facto de se terem descoberto aí, de se terem visto um ao outro aí, entre a turba barulhenta e suada, consumiu-o. Uma boa consumição, daquelas que nos alimenta a vida em vez de a diminuir em um desespero insuportável. O extraordinário instante em que realmente se aperceberam que nem todos os clichés são frutos demasiado maduros da cabeça pouco criativa de alguém, também não lhe escapou como metáfora maravilhosa do acaso. Ambos se riram, muito antes de se aproximarem um do outro e a milhas de imaginarem que a dança seguinte os uniria pela vida fora.
Célebre em quase todos os blogs, pacotes e agências de viagens do hemisfério norte, precisamente pela sua irreverência ao comum dos lugares que os turistas procuram, esse lugar quase Xanadu não tinha turistas que o procurassem, nenhuns, ninguém. O que levou Mr. Olyphant a pensar que os turistas, invariavelmente ou serão estúpidos na sua natureza, ou nem de casa haveriam de sair. Assim, aquele bilhete comprado em suores esmorecidos, trouxe-lhe a confirmação da sua excelência, por fim. Para ele, aquele lugar era um mundo completo, com montanhas, vales, mercados e igrejas, jardins e cemitérios e pequenas casas sem ninguém.
Paz.
Após pagar a promessa que fizera à defunta, ali, entre o nicho opaco da serra, deixou em uma gruta, que era pouco mais que um rasgo vaginal em um penedo virgem, duas notas; uma de duzentos para a santificar definitivamente perante a igreja que ela até ao fim acreditou precisar de dinheiro para a salvar, e outra, significativamente mais relevante, onde lhe contou toda a história comum, desde o instante em que se baixou sob a turba e apanhou aquele destemido brilhante, que agora ali depositava, incrustado em seu anel de noivado, até ao instante, meramente imaginado onde finalmente se reencontrariam combinados, para viverem eternamente naquele lugar só deles.


Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.