Avançar para o conteúdo principal

Piquenas estórias de amore XI


Perdido em um mar cintilante de nevoeiro e solidão humana, encontra-se um pequeno lugar todo ele rarefeito e da cor do chumbo, que raramente recebe visitas de turismo.
Falecida a mulher, Mr. Olyphant, bom cidadão insuspeito, de cem quilos ou mais de carne conduzida só por vontade, realizou aí a viagem de comboio com que sempre sonhou.
Em proporção à cidade onde vive, este sítio pacífico de rocha imaculada sempre lhe soou como aquele singular brilhante de fancaria que atentamente observou excepcional, deitado à sorte de quem o perdeu, no piso armado a cimento bruto, que era o salão de baile onde a conheceu. Apreendeu-o como o extraordinário, em meio a uma desoladora circunstância de espaço reduzido, com tanta, tanta gente acotovelando-se na pretensão ou fingimento de que dançariam.
O facto de se terem descoberto aí, de se terem visto um ao outro aí, entre a turba barulhenta e suada, consumiu-o. Uma boa consumição, daquelas que nos alimenta a vida em vez de a diminuir em um desespero insuportável. O extraordinário instante em que realmente se aperceberam que nem todos os clichés são frutos demasiado maduros da cabeça pouco criativa de alguém, também não lhe escapou como metáfora maravilhosa do acaso. Ambos se riram, muito antes de se aproximarem um do outro e a milhas de imaginarem que a dança seguinte os uniria pela vida fora.
Célebre em quase todos os blogs, pacotes e agências de viagens do hemisfério norte, precisamente pela sua irreverência ao comum dos lugares que os turistas procuram, esse lugar quase Xanadu não tinha turistas que o procurassem, nenhuns, ninguém. O que levou Mr. Olyphant a pensar que os turistas, invariavelmente ou serão estúpidos na sua natureza, ou nem de casa haveriam de sair. Assim, aquele bilhete comprado em suores esmorecidos, trouxe-lhe a confirmação da sua excelência, por fim. Para ele, aquele lugar era um mundo completo, com montanhas, vales, mercados e igrejas, jardins e cemitérios e pequenas casas sem ninguém.
Paz.
Após pagar a promessa que fizera à defunta, ali, entre o nicho opaco da serra, deixou em uma gruta, que era pouco mais que um rasgo vaginal em um penedo virgem, duas notas; uma de duzentos para a santificar definitivamente perante a igreja que ela até ao fim acreditou precisar de dinheiro para a salvar, e outra, significativamente mais relevante, onde lhe contou toda a história comum, desde o instante em que se baixou sob a turba e apanhou aquele destemido brilhante, que agora ali depositava, incrustado em seu anel de noivado, até ao instante, meramente imaginado onde finalmente se reencontrariam combinados, para viverem eternamente naquele lugar só deles.


Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.