Avançar para o conteúdo principal

...É preciso não esquecer que ainda se escrevem Romances


(...)
"A noite está tomada por estranhas sombras, compridas e escuras. Chegou a ser cruel a minha observação, no rigor com que deixou a nu as minhas deficiências mais visíveis. Levantei-me do chão quente e fui para casa, para comprar tempo, antes que alguém me visse ali e me deitasse desaforos por mim abaixo.
Fiquei a olhar o quadro anterior que ainda tinha fresco na memória, até me ocorrer um pensamento obsceno, o mais belo de todos: E se tivesse sido León Xótsia o assassino da gata? Se tivesse sido ele também o precursor daquele incêndio? E se fosse efectivamente, aquele meu único amigo, a mais deliciosa e perversa criatura deste prédio? – Passou-me um arrepio eléctrico pelo corpo todo. – Como seria bom se isto fosse mesmo verdade, imaginar-nos realmente deuses, ou um deus a fazer por mim, para variar, em vez de contra mim, como se a maravilha da última decisão fosse só a consequência da sua vontade. Imagino que tudo seria perfeito, mesmo que, tão precipitadamente, entenda estar só na minha cabeça. Se eu fosse mais simples, aproveitaria mais tudo, mas não sou, e isto já não tem cura.
Um estrépito de gente nova, bombeiros, polícias, filhos, netos, repórteres e homens com câmaras, abarrotados de toda a parafernália imaginável, submergia uns “Jardins do Paraíso”, tensos, na noite do incêndio.
Claro que aquilo era tudo um fogo de vista, mas o diálogo interino do prédio, acabara de modificar-se, num abrir e fechar de olhos. Já não se viam tantos estranhos e desconhecidos e novos neste lugar, desde o dia da catástrofe de oitenta e um, quando parte da fachada exterior sul do edifício ruiu, em virtude da explosão de uma botija de gás, na casa do Jaime Zíngaro. Este levava calmamente uma frigideira ao lume com um bifito e acabou no cemitério feito em um fanico.

O pátio estava já todo ocupado, assim como alguns corredores, do primeiro e segundo andares, sobretudo. Lano estava sentado no canto noroeste do pátio, junto às escadinhas que davam acesso à casa das máquinas, tem pedaços de relva colados nas solas dos sapatos, um cobertor às costas, daqueles que parecem iguais aos fatos dos astronautas, e um pequeno morrão de chama aceso que ainda lhe dançava em silêncio nas costas de uma mão. Tenta levantar-se, mas obrigam-no a sentar-se novamente: “O senhor está muito fraco, estacione aí mesmo e respire.” - Cuspiu para a própria mão, apagou-a, e só depois é que respirou."

(...)

Excerto de Romance em construção...

Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…