Avançar para o conteúdo principal

Dolores O'Riordan


Nunca saberemos muito bem porque nos morrem sempre aqueles de quem gostamos. Morrem ao seu tempo, feito ou destinado, mas morrem e como gostamos deles sentimos que são esses que nos morrem, sempre. Talvez, em si mesmo, seja já um desgosto anunciado gostar, mostrar apreço, ter afeição e a única sorte que nos calharia para não sentirmos estas mortes debaixo do Sol, seria morrer antes destes. 
Em princípios dos anos 2000 (já um pouco tarde, mas nunca tarde demais) uma amiga apresentou-me os Cranberries, uma banda irlandesa de rock alternativo, indie-pop, post-punk, folk, dream-pop, sei lá. Nunca liguei muito a estes rótulos. Emprestou-me o álbum "Bury the Hatchet" (1999), um disco excelente, e assim que ouvi aquela voz feminina (Dolores) a segurar por completo todas as músicas do disco, fiquei apanhado. Completamente encantado. É certo que tenho uma moderada 'panca' por quase tudo que me chegue da ilha esmeralda, mas aquela mulher conquistou-me no primeiro solfejo. A sua voz era límpida e sensual, exacta em todos os mínimos e máximos acordes, seria impossível não a amar logo, como igualmente me é impossível agora, não sentir que me morrem sempre todos aqueles de quem eu gosto. Talvez seja porque ainda estou vivo, ou porque acho demasiado assistir a tantos partirem no meu tempo de vida.
Ah, antes que me esqueça, também era tão bonita que na primeira vez que juntei a voz ao rosto me deu um abalo gigante no ventre. Que triste que fiquei hoje. Triste por ainda querer gostar. Nunca mais deveria gostar de nada ou de ninguém.


Dolores O'Riordan (1971-2018)

Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…