Avançar para o conteúdo principal

Dolores O'Riordan


Nunca saberemos muito bem porque nos morrem sempre aqueles de quem gostamos. Morrem ao seu tempo, feito ou destinado, mas morrem e como gostamos deles sentimos que são esses que nos morrem, sempre. Talvez, em si mesmo, seja já um desgosto anunciado gostar, mostrar apreço, ter afeição e a única sorte que nos calharia para não sentirmos estas mortes debaixo do Sol, seria morrer antes destes. 
Em princípios dos anos 2000 (já um pouco tarde, mas nunca tarde demais) uma amiga apresentou-me os Cranberries, uma banda irlandesa de rock alternativo, indie-pop, post-punk, folk, dream-pop, sei lá. Nunca liguei muito a estes rótulos. Emprestou-me o álbum "Bury the Hatchet" (1999), um disco excelente, e assim que ouvi aquela voz feminina (Dolores) a segurar por completo todas as músicas do disco, fiquei apanhado. Completamente encantado. É certo que tenho uma moderada 'panca' por quase tudo que me chegue da ilha esmeralda, mas aquela mulher conquistou-me no primeiro solfejo. A sua voz era límpida e sensual, exacta em todos os mínimos e máximos acordes, seria impossível não a amar logo, como igualmente me é impossível agora, não sentir que me morrem sempre todos aqueles de quem eu gosto. Talvez seja porque ainda estou vivo, ou porque acho demasiado assistir a tantos partirem no meu tempo de vida.
Ah, antes que me esqueça, também era tão bonita que na primeira vez que juntei a voz ao rosto me deu um abalo gigante no ventre. Que triste que fiquei hoje. Triste por ainda querer gostar. Nunca mais deveria gostar de nada ou de ninguém.


Dolores O'Riordan (1971-2018)

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.