Avançar para o conteúdo principal

As Crónicas do Senhor Barbosa VII


O Senhor Barbosa viu os padrões da chuva colados a stencil na janela central da sala comprida e ficou algum tempo parado a esperar pela razão nos intervalos das gotas desavindas. Pois naquele instante a rua povoava-se apenas de donos de cães joviais cumprimentando-se uns aos outros e achou-se reles e maligno como um animal doente. O novo ano trouxera-lhe alguma percepção aguçada como todos os novos anos lhe traziam, mas perdera-a completamente entre as passas e as resoluções. Este deja vu era tão impiedoso que já era uma amarga tristeza que o impregnava nos anos novos de isolamento. Continuava a ser o tipo de homem que olha através de janelas, que faz da vida uma camisa-de-forças impossibilitando-lhe os movimentos e também o tipo de homem que persegue causas perdidas com nomes femininos.
E quem visse de fora, pareceria-lhes que continuava igual a antes, só que, agora, tinha noção de que mais um ano se passara e ele, Senhor Barbosa, já não caminhava para nenhum lugar cheio de maravilhas e encantos, algum jorro de esperança gizada pela paciência apenas. Envelhecia sem provas dadas que sequer existira e isto martelava-lhe a enorme decepção de continuar a acreditar-se vivo.
Todavia, algum tempo depois a menina Salette apareceu-lhe em casa, posta em carne palpitante como uma vulva desapreciada há muito. Veio depois dos Reis, e disse-lhe que vinha exclusivamente para foder. Assim mesmo, para fo-der! Vejam só. Até enrolou a língua como se engolisse a palavra em um golfo pastoso. Dissera-lhe que era demasiado tarde para esperar entre as intermitências do desejo o retorno do marido da Mauritânia.
- Mauritânia? - Questionou o Senhor Barbosa - Quem, no seu bom juízo poderá deixar uma mulher como você e ir pôr-se nesses lugares imaginados? Quem?
- Quem? - Responde-lhe ela estalando a alça do soutien. - Pois, quem é exacto... é que os nossos filhos precisam de comer à mesma e visto que eu estou aqui para foder de borla, alguém lá terá de fazer dinheiro para os alimentar.
Aqui, o Senhor Barbosa tomou-a pelo braço e fê-la entrar antes que tudo aquilo lhe custasse.
- Uma bebida? - Solicitou a mulher, olhando em torno. - Não tens grande coisa em casa. Nem sofá, nem quadros, nem TV. Tens uma cama ao menos?
- Barbosa de um raio que nunca mais acabas de morrer, onde é que te meteste agora? - Pensou o Senhor Barbosa, defrontando-se com a obstinação da menina Salette. Tropeçou no próprio instinto a caminho do osso exposto. - Tenho uma garrafa de "Baileys" algures, contando bolor na despensa. Pode ser?
A mulher entrou-lhe na zona de conforto com o espírito de quem penetra em uma sombra húmida na hora de maior calor. Pouco a pouco, como um vulto, um sorriso se foi formando no Senhor Barbosa, acompanhado por um copo ondulado à esquerda e um clarão de mamas expostas rente à janela íntima. Lá fora, o rasteiro arvoredo e os arcos de pedra do jardim todo cagado pelas hostes de cães treinados, prolongavam uma nova dimensão para um possível futuro.
Fechou a porta da rua, finalmente, e apertou-lhe o enxuto das ancas nas mãos esquecidas, ansiando não ter olvidado de todo o caminho à bolina para o ventre quente de uma mulher.
Ela sorria-lhe em carne viva, morna, cúmplice, fazendo-o ganhar volume e consistência na vontade de continuar vivo.



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…