Avançar para o conteúdo principal

As Crónicas do Senhor Barbosa VII


O Senhor Barbosa viu os padrões da chuva colados a stencil na janela central da sala comprida e ficou algum tempo parado a esperar pela razão nos intervalos das gotas desavindas. Pois naquele instante a rua povoava-se apenas de donos de cães joviais cumprimentando-se uns aos outros e achou-se reles e maligno como um animal doente. O novo ano trouxera-lhe alguma percepção aguçada como todos os novos anos lhe traziam, mas perdera-a completamente entre as passas e as resoluções. Este deja vu era tão impiedoso que já era uma amarga tristeza que o impregnava nos anos novos de isolamento. Continuava a ser o tipo de homem que olha através de janelas, que faz da vida uma camisa-de-forças impossibilitando-lhe os movimentos e também o tipo de homem que persegue causas perdidas com nomes femininos.
E quem visse de fora, pareceria-lhes que continuava igual a antes, só que, agora, tinha noção de que mais um ano se passara e ele, Senhor Barbosa, já não caminhava para nenhum lugar cheio de maravilhas e encantos, algum jorro de esperança gizada pela paciência apenas. Envelhecia sem provas dadas que sequer existira e isto martelava-lhe a enorme decepção de continuar a acreditar-se vivo.
Todavia, algum tempo depois a menina Salette apareceu-lhe em casa, posta em carne palpitante como uma vulva desapreciada há muito. Veio depois dos Reis, e disse-lhe que vinha exclusivamente para foder. Assim mesmo, para fo-der! Vejam só. Até enrolou a língua como se engolisse a palavra em um golfo pastoso. Dissera-lhe que era demasiado tarde para esperar entre as intermitências do desejo o retorno do marido da Mauritânia.
- Mauritânia? - Questionou o Senhor Barbosa - Quem, no seu bom juízo poderá deixar uma mulher como você e ir pôr-se nesses lugares imaginados? Quem?
- Quem? - Responde-lhe ela estalando a alça do soutien. - Pois, quem é exacto... é que os nossos filhos precisam de comer à mesma e visto que eu estou aqui para foder de borla, alguém lá terá de fazer dinheiro para os alimentar.
Aqui, o Senhor Barbosa tomou-a pelo braço e fê-la entrar antes que tudo aquilo lhe custasse.
- Uma bebida? - Solicitou a mulher, olhando em torno. - Não tens grande coisa em casa. Nem sofá, nem quadros, nem TV. Tens uma cama ao menos?
- Barbosa de um raio que nunca mais acabas de morrer, onde é que te meteste agora? - Pensou o Senhor Barbosa, defrontando-se com a obstinação da menina Salette. Tropeçou no próprio instinto a caminho do osso exposto. - Tenho uma garrafa de "Baileys" algures, contando bolor na despensa. Pode ser?
- Tens aqui, querido. Nunca venho de mãos vazias, nem de mãos, nem de nada.
A mulher entrou-lhe na zona de conforto com o espírito de quem penetra em uma sombra húmida na hora de maior calor. Pouco a pouco, como um vulto, um sorriso se foi formando no Senhor Barbosa, acompanhado por um copo ondulado à esquerda e um clarão de mamas expostas rente à janela íntima. Lá fora, o rasteiro arvoredo e os arcos de pedra do jardim todo cagado pelas hostes de cães treinados, prolongavam uma nova dimensão para um possível futuro.
Fechou a porta da rua, finalmente, e apertou-lhe o enxuto das ancas nas mãos esquecidas, ansiando não ter olvidado de todo o caminho à bolina para o ventre quente de uma mulher.
Ela sorria-lhe em carne viva, morna, cúmplice, fazendo-o ganhar volume e consistência na vontade de continuar vivo.



Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…