Avançar para o conteúdo principal

As Crespas Manhãs de algum Janeiro


Qualquer jardim nunca nos parece selvagem
só um ajuntamento de belas formas,
muitas vivas, quase. Muito nossas sobretudo, mãe.
Mas andamos perdidos em um mar cintilante
de solidão, mãe. Andamos crianças ainda
a gatinhar cambaleantes na nossa sofreguidão de pessoas futuras.
Não sabemos nada sobre jardins
ou porque quis tanto Alexandre chegar à Índia
sobre um rastro de sangue.
Oh, o Sol está vermelho, mãe
e o bosque tão negro,
morto na invisibilidade do verdadeiro escuro.
Devem-nos a construção das formas falsas do verde e da luz,
a sua aparência
humana, quase, mãe.
Devem-nos a sua ingratidão planetária
o seu fim conquistado em tantas batalhas inúteis.
Porque quis César ser Imperador, ou Hitler personificar a morte?
O que querem os homens frustrados deste jardim inventado, mãe?

Graças aos nossos esforços e convenções
às nossas conveniências rigorosas,
a constante busca humana pelo que é elusivo
indefinível, derrota-se a si mesma.
E a harmonia a que chamamos beleza
definha, mãe. Morre já, mãe. Não existe mais.
Agora o Sol já está morto, mãe
e a noite está de volta.
Tem vida própria.
Intrincada, determinada, uma vida secreta,
como qualquer jardineiro extraterrestre de bom nome saberá explicar-te com as mãos e a terra.
Só os humanos é que ainda o imaginam jardim
ou arranjam recursos para definir as razões de algum novo Napoleão.
Porque esta é uma relação, é a nossa eterna relação
o que explica a razão soberana de nunca estar
propriamente acabado
o nosso exacto fim.


Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.