Avançar para o conteúdo principal

A derradeira desilusão


A maior tristeza que imagino agora é crer que alguém me acredita como quem o denuncia por ser quem é. Faz-me triste, porque acreditar que alguém de quem gosto imagina isso, quando eu próprio me debato contra a apatia de quem nada contra mim faz, põe-me no extremo exposto da inexistência absoluta, e é claro, para quem me conhece bem pelo menos, só isso é que me entristeceria realmente, pois sou egocêntrico por todo e só choro por mim mesmo.
Agora sejam normais e excomunguem-me das vossas vidas. É natural que o façam, pois não presto para ser parte normal destas.
Só se me aproveitam os pedaços inesperados, os momentos inusitados ou os trechos invulgares da minha escrita. O resto são dejectos e fazeis tão bem em deitá-los fora. Tão bem. Deitem-me fora como o lixo.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.