Avançar para o conteúdo principal

Brilho fosco das Mudanças - Parte 4


continuação...

- Deus nosso senhor! – Exclamou de acanhamento. – Isto nunca antes me havia acontecido.
- Estás bonito, estás, ó Viriato. – Diz-lhe ela. Era a primeira vez que se lhe ouvia a voz barítona. - Aposto que bebeste algum vinho novo, fermentado a martelo, comeste figos maduros ou farinheiras de colorau estragadas, não foi? – Replicou-lhe de mãos postas às ancas fartas. - Sossega lá. Deixa que a Germina já te faz uma canja pura que te limpa os canos dos pés até à alma.
Ele assim assentiu, sem mais nem menos, só pela boa estranheza que o seu toque lhe trazia às entranhas. Germina fez-lhe a canja a voar, e obrigou-o a engolir duas colheres em um longo intervalo. À segunda, Justino teve um vómito erótico que lhe subiu das virilhas até à glote e largou tudo para o prato, mas ela não se melindrou por isso. Sem grandes trejeitos, levantou o saiote e a combinação e colocou a mão dele sobre a sua perna nua. A canja sumiu-se do prato num milagre.
O velho Justino fez contas às intermitências do coração, e tudo somado, concluiu que botão de punho algum o punha naquele estado. Trazia um novo poema no bolso do pijama de flanela, mas naquele dia, pela primeira vez em tantos anos, não se viu disposto em descer até ao salão. Certo de que o tempo não lhe seria indulgente com jogos demorados de corte e galanteios pediu-lhe para que no dia seguinte fosse buscar o que tivesse de seu, não fosse o diabo tece-las, e que trouxesse tudo lá para casa. Urgiu-lhe com os olhos que a casa depois disso seria não apenas sua, mas de ambos. Bastou-lhe aquele momento para descobrir que já não podia viver sem a ter sempre por perto.
Germina adormeceu sossegada com essa ideia, o seu pai, depois de saber, nem pregou olho com a excitação. Um dia depois, ao retornar com a resposta, descobriu um guarda-vestidos repleto de coisas suas no próprio quarto do velho, que resplandecia como um botão polido, todo engalanado num viço de punhos de rosas espampanantes.
O rosto de Justino iluminou-se num fulgor que lhe desceu rápido até aos recônditos fechados do colo, assim num repente, como se saltasse para um vazio alto e mergulhasse com o estômago colado à boca. Quis crer que naquele salto existia todo o heroísmo do amor que lhe faltara a vida inteira. 
- Mas como? – Remeteu-lhe Germina a pergunta.
 Justino endireitou a língua atrapalhada e devolveu-lhe uma jura:
- Estou velho demais para complicar o que é simples. O que te prometo contudo, com todas as forças que me restam, é que, doravante, estes serão os únicos botões a que darei atenção. Estes e tu, minha rosa de fogo abençoado.
Germina Arosa concordou com tudo num choro arrolado, sem perceber ao que ele se referia, ou fazendo de conta que não percebia. Debruçou-se, beijou-o longamente no bico da testa enrugada, e não disse palavra.
Desse momento em diante, Justino tomou-se de tão bons ares, que já nem fazia lembrança dos benditos botões, da perna entesada em inutilidade ou do que mais fosse, excepto de Germina Arosa. Cumpriu a promessa e só teve mesmo olhos para ela. E só para ela escrevia poemas agora.
Um vozeirão de invejas e maledicências subia diariamente as encostas, vindos da aldeia, lá abaixo. Que havia ali coisa do demónio, que o pobre velho caíra sob efeito de algum feitiço, bruxaria, era do que falavam todos. Pois ninguém dava crédito de verdade a um amor assim tão instantâneo. Justino e Germina pouco caso faziam.
O seu sangue adocicou-se no correr das veias, e parecia flutuar quando ela se chegava perto. Apesar do que lhe haviam afiançado os médicos, sobretudo os de mau agouro, ainda viveram juntos, um amor que permaneceu na estranheza do povo, por quase uma vintena de anos. Ele abria-lhe as portas à sua passagem, e descobriu que afinal, os seus beijos até o faziam correr em seu alcanço. Ela deixava-se ver nua quando tomava banho, fechava-lhe as luzes e as torneiras à sua passagem, colhia-lhe as laranjas, ouvia o piar dos mochos consigo e por vezes, até se deixava estar por longas horas, a admirar a sua impossível colecção de botões de punho.
Dormiam sempre juntos, muito agarradinhos, no quarto situado no extremo oposto ao quarto dos seus pais, que cheirava sempre a rosas e à flor da laranjeira. Beijavam-se, trocavam breves histórias do dia, e depois adormeciam.

Justino convenceu-se de que o coração lhe batia cada dia com mais vigor, e Germina, no seu silêncio de poucas palavras, nunca lho desmentiu, justo até ao fim.


FIM

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…