Avançar para o conteúdo principal

As Crónicas do Senhor Barbosa V


Seria de supor que o senhor Barbosa viesse novamente a lembrar-se de deixar escritas mais algumas palavras. Afinal é um homem, um filho e um irmão. Foi um pai e um marido, um amante altruísta, companheiro subterrâneo, cúmplice circunstancial. Até foi amigo apático de alguns, mas já se esqueceu de quem, e o pai, figura fantasmagórica sempre perfilhada em uma luz mais brilhante por entre todas as chamas mais explosivas da sua vida, veio afinal a cumprir, deixando-lhe instruções para se salvar no mundo, como sempre lhe prometera que faria. Estava tudo em uma cartilha manuscrita em letra bem desenhada, que o senhor Barbosa só agora descobriu oculta entre uma legião de restos descartados da sua infância, ao lado destes, metida dentro de um pano atafulhado naquele nicho de tijolo de burro que um dia de tempestade fez soltar-se da lareira apagada.
Para ele aquilo era um acto de adoração. Mas o senhor Barbosa ficou tão arrebatado pela descoberta, ensombrado pelas nuvens visíveis por cima desta, que surpreendentemente nem se pôs a desbravar o tecido em pedaços pequenos até chegar ao tesouro que o pai lhe legara depois do cancro. Porque era um tesouro, sim. Aquela parcela embrulhada, veio a concluir, era o maior tesouro que possuíra nos últimos dez minutos. 
Da sua testa brotavam pequenas gotas de felicidade que caíam e voltavam a cair sobre o embrulho de pano, humedecendo-o. Imóvel, às portas da sua própria salvação, simplesmente não quis destruir a imaculada destreza com que o pai o amarrara. Manejava-o com grande firmeza, apenas, de uma mão para a outra, lançando-lhe olhares demorados e fixos. Que bela escultura de pano!
Até que de repente se trespassou como se se esvaziasse, como se tivesse descoberto que sempre estivera vazio até aquele momento, desmanchou-se o senhor Barbosa. Pobre senhor Barbosa. Tão estranho e solitário senhor Barbosa, tão ignóbil e obtuso, tão marcado. Tão marcado por tudo.
Que medo teve do pai, pensou, continuando imóvel. Mas no fundo era boa pessoa, porque eu tenho os seus olhos, os seus lóbulos das orelhas, a sua voz e os seus ossos. Somos ambos boas pessoas, pensou ainda, porque à nossa maneira inquietante sabemos ficar calados e olhar o que vai sem pestanejarmos um vôo de mariposa.
Ainda continuou mais algum tempo imóvel o senhor Barbosa, severo com o embrulho-tesouro nas mãos. Perturbou-se só por momentos, quando recordou um episódio banal de infância, com o pai, ele e o pai, o admoestador pai, na cumeada do monte de santa Zéfira, ali para os lados da correnteza travada do rio, onde os raios de sol iam certos para morrer.
Essa memória veio-lhe dos efeitos secundários das sua visões de sono ligeiro. Ignorava se estaria mesmo a acontecer, ou se apenas imaginava que estaria.
Despertou, razoavelmente. Concentrou-se em respirar com alguma regularidade, à espera que a dor diminuísse, embora soubesse que o dano era total e irreparável.
Encheu um copo quase até à borda. Apressou-se a carregar no isqueiro e acender um petardo que a mulher do Ortiz lhe deixara ali em tempos remotos, em uma caixa mimosa, lavrada a quejandos foleiros. Sabia a mofo a ervanária, nas primeiras baforadas, mas quando se juntou ao cheiro do pano e do papel antigo queimados, o senhor Barbosa finalmente relaxou, como um semáforo verde.
Agora estava mais que pronto para escrever tudo o que tinha a dizer. 

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…