Avançar para o conteúdo principal

A modos que são muito mais que meros títulos


Não é preciso muito para me entreter. Uma simples premissa, uma mão cheia de bons filmes, ou uma imbecilidade qualquer que a minha cabeça divisa para se ocupar entre as vagas de obscuridade. Hoje pensei na importância do casal Elaine e Saul Bass no cinema.
Cada um a seu modo próprio, brilhantes designers, Elaine, que antes trabalhara na indústria da moda 'prêt-à-porter' fez o seu caminho até se tornar assistente do grande designer gráfico Saul Bass, em 1955. Saul, que paulatinamente se tornara uma espécie de paradigma nessa actividade; trabalhou com e para: Alfred Hitchcock, Stanley Kubrick, Otto Preminger, Billy Wilder, e Martin Scorsese inventando neste percurso desde finais dos anos cinquenta até meados dos setenta, uma espécie de nova tipografia cinematográfica.
Aventurou-se igualmente na realização, dirigindo algumas curtas sem grande projecção e a  estranha e maravilhosa película de ficção-científica: "Phase IV" (1974), uma clara metáfora às possíveis consequências da 'Guerra Fria' desenhada na desbragada acção do Homem contra a natureza. 
Porém, a parceria com Elaine, igualmente talentosa, só poderia resultar em bons frutos, e, em 1960 esta dirigiu a sua própria sequência dos títulos do filme de Stanley Kubrick, "Spartacus", continuando, pela década de 60 fora, a dirigir outros igualmente relevantes na história do cinema. Nos princípios da década de 80, o casal cansou-se do rumo que o cinema, como o entendiam que deveria ser, prosseguiu e desistiram da carreira como desenhadores de créditos iniciais, entregando-se exclusivamente à família.
No final da sua carreira (é sempre assim) Saul Bass foi 're-descoberto' e juntamente com a sua companheira Elaine, re-lançaram novos títulos geniais aos seus já extensos port-fólios.  Sobretudo em filmes de Martin Scorsese, conhecido cinéfilo e aficionado por tudo quanto é bom cinema. Elaine e Saul Bass criaram as aberturas de filmes memoráveis tais como: "Goodfellas", "Cape Fear", "The Age of Innocence" e "Casino", reafirmando novamente o seu incontestável brilhantismo na arte do design gráfico aplicado à titulação cinematográfica.
Em baixo estão alguns dos seus trabalhos mais memoráveis. Quem é que poderá esquecer a deslumbrante cerimónia de abertura do filme de 1959 de Otto Preminger, "Anatomy of a Murder". É absolutamente brilhante!
Assim que, reuni alguns destes títulos em um ciclo improvisado e hoje será o meu dia 'Bass'. Elaine e Saul, obrigado por me cativarem a atenção logo antes do filme começar.





 

Elaine e Saul Bass



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…