Avançar para o conteúdo principal

A modos que são muito mais que meros títulos


Não é preciso muito para me entreter. Uma simples premissa, uma mão cheia de bons filmes, ou uma imbecilidade qualquer que a minha cabeça divisa para se ocupar entre as vagas de obscuridade. Hoje pensei na importância do casal Elaine e Saul Bass no cinema.
Cada um a seu modo próprio, brilhantes designers, Elaine, que antes trabalhara na indústria da moda 'prêt-à-porter' fez o seu caminho até se tornar assistente do grande designer gráfico Saul Bass, em 1955. Saul, que paulatinamente se tornara uma espécie de paradigma nessa actividade; trabalhou com e para: Alfred Hitchcock, Stanley Kubrick, Otto Preminger, Billy Wilder, e Martin Scorsese inventando neste percurso desde finais dos anos cinquenta até meados dos setenta, uma espécie de nova tipografia cinematográfica.
Aventurou-se igualmente na realização, dirigindo algumas curtas sem grande projecção e a  estranha e maravilhosa película de ficção-científica: "Phase IV" (1974), uma clara metáfora às possíveis consequências da 'Guerra Fria' desenhada na desbragada acção do Homem contra a natureza. 
Porém, a parceria com Elaine, igualmente talentosa, só poderia resultar em bons frutos, e, em 1960 esta dirigiu a sua própria sequência dos títulos do filme de Stanley Kubrick, "Spartacus", continuando, pela década de 60 fora, a dirigir outros igualmente relevantes na história do cinema. Nos princípios da década de 80, o casal cansou-se do rumo que o cinema, como o entendiam que deveria ser, prosseguiu e desistiram da carreira como desenhadores de créditos iniciais, entregando-se exclusivamente à família.
No final da sua carreira (é sempre assim) Saul Bass foi 're-descoberto' e juntamente com a sua companheira Elaine, re-lançaram novos títulos geniais aos seus já extensos port-fólios.  Sobretudo em filmes de Martin Scorsese, conhecido cinéfilo e aficionado por tudo quanto é bom cinema. Elaine e Saul Bass criaram as aberturas de filmes memoráveis tais como: "Goodfellas", "Cape Fear", "The Age of Innocence" e "Casino", reafirmando novamente o seu incontestável brilhantismo na arte do design gráfico aplicado à titulação cinematográfica.
Em baixo estão alguns dos seus trabalhos mais memoráveis. Quem é que poderá esquecer a deslumbrante cerimónia de abertura do filme de 1959 de Otto Preminger, "Anatomy of a Murder". É absolutamente brilhante!
Assim que, reuni alguns destes títulos em um ciclo improvisado e hoje será o meu dia 'Bass'. Elaine e Saul, obrigado por me cativarem a atenção logo antes do filme começar.





 

Elaine e Saul Bass



Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…