Avançar para o conteúdo principal

A Dureza do Fogo


Outrora fomos cinza, enxofre e um breu grosso.
Caminhantes que se atrasam sem se saber já mortos.
Fomos faúlhas de morrão que nunca acende.
Sim, fomos um passo de vento, lento e incessante,
que empurra para longe o que é nosso,
e nos deixa n’alma o fogo dos tormentos.
Fomos o que nos castra, nos tira, nos rouba, nos prende,
nos torna neste ser que não recua nem vai avante.
E eu não quero mais ser pedra a arder nesta fogueira.
Por isso me ergo e lhe quebro a dureza,
com ritos impenetráveis de suaves pilastras,
não mais carentes de serem gume.
Por isso escrevo desta maneira,
Pois é a forma que espanto, é a certeza,
O fio etéreo com que remeto minhas palavras,
Confiante de sair incólume.
Hoje, hoje somos todos pedras irmãs,
roliças, delicadas e cientes desta empatia.
Se, em tempos, (como muitos iguais)
Fomos arestas rudes que cortavam,
as tristes penas de nossas vidas vãs,
agora, não mais deixaremos de sentir que existe poesia,
no falso fundo desses que ademais,
por pouco, por pouco, quase nos matavam.
O tempo de incertezas deixei-o na distância,
dessas pedras de fogo que mal me adivinham,
e parti de novo, de novo caminhante.
Pequeno seixo redondo de condição dúctil,
como eu, existem alguns, mas de fraca abundância,
juntos nesta demanda todos caminham,
já sem sermos homens, mas poesia ambulante.

E em breve seremos tantos, em breve seremos mil.

"Que Alguém Saiba que és um Homem"
2013

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.