Avançar para o conteúdo principal

Ser jovem outra vez e esclarecido desta vez.




Não sei bem explicar porquê, mas, esta canção marcou-me imenso quando a ouvi pela primeira vez, ali pelos arrabaldes dos pré-púberes oitentas. Por essa época nem conhecia quase nada do Bowie. Ouvira até à exaustão o "Let's Dance" e o "China Girl", sem me fazer grande abalo ou alarido. Andava longe do 'glam' e à solta pelo gótico e pop alternativo. Só me apaixonei por ele quando conheci a minha namorada fanática pelo camaleão David, pelo herói David. A minha namorada que é agora a minha mulher e que me ensinou a gostar deste homem. Não é maravilhoso isto? Eu nunca a apanhei nesse exacto caminho, quer isto dizer, ela nunca se apaixonou assim, tão perdidamente, por nenhum dos músicos, bandas, artistas, que eu, na altura (e ainda) adorava e adoro. Nunca a levei a mal por isso. O coração quer o que o coração quer ouvir e amar.
"All the Young Dudes" não é um grande êxito do David Bowie, mas é um hino e tanto. De certa forma é quase algo religioso. Como quando se sente que se tem uma congregação de pessoas a escutar-nos, e toda a gente está a cantar o que cantámos, e, quando o cantámos, os lugares vibram com as pessoas em uníssono a participarem neste fenómeno inexplicável que é esta música.
Malogradamente, nunca o vi e/ou escutei ao vivo, mas, ao ouvir esta música, na solidão dos meus ouvidos tapados por "headphones vintage", no tempo em que ainda se ouviam músicas em cassetes piratas, gravadas por amigos - mix tapes - e em que aparelhos rudimentares chamados "walkman" - coisas pré-históricas, mas de marketing tão exacto, apetecível, tão bem explicado  - a gente andava e a música vinhas atrás, connosco. - Parecia só nossa. Aquela música era só nossa, mesmo que estivéssemos em qualquer lugar onde nem seria suposto haver rastro de música. Que maravilha! O David Bowie parecia assim cantar só para mim e esta música ficou-me para sempre. Que coisa tão inusitada, que um senhor japonês da Sony se lembrou de fazer. Talvez porque não quisesse ficar parado em casa a ouvir David Bowie, onde todos os vizinhos o pudessem ouvir e o quisesse só para ele. É este tipo de egoísmo ingénuo que por vezes fomenta as grandes invenções.
Adiante.
Até duvido de estar a escrever isto pois é raríssimo ouvir rádio, mas hoje ouvi esta música e veio tudo em catadupa do passado até esta pequena memória que aqui escrevo. A culpa é da minha mulher, do Nobutoshi Kihara (inventor do walkman) mas sobretudo do David, e da mania que tinha de ser um génio.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…