Avançar para o conteúdo principal

R.I.P. Shiva

ATENÇÃO - Este post contêm'Spoilers'


Gosto tanto, tanto de gatos. Gosto de animais em geral, de felinos em particular, mas, isto ou é banalmente ridículo da minha parte ou certas séries tem mesmo um poder catalisador sobre as nossas emoções, na maneira como nos fazem sentir tão afins com determinados personagens. Neste caso, com um tigre de Bengala, de 230 kgs. de seu nome SHIVA, que ontem morreu e morreu da forma mais horrivelmente possível para uma criatura de tal majestade.
Para a linha dura de aficionados desta maravilhosa epopeia (TWD) por um mundo de mortos vorazes e vivos ainda mais assustadores que estes, e mesmo que esta temporada (8) ainda vá dando os seus primeiros passos, este foi o 4ª episódio, o fim do animal de estimação do Rei Ezequiel, sacrificando-se para o salvar, não poderia ser mais arrebatador e de partir o coração.
Para ser justo, convêm não esquecer a morte de vários dos súbditos de Ezequiel, que logo se tornaram zombies e se levantaram em seu alcanço, e o episódio correu de trás para a frente em uma tensa hora focada no Rei e em Carol, que culminou, até à data, na morte mais difícil de suportar desta temporada. Até sempre Shiva. Ficarás nos nossos corações por teres sido valorosa, leal e claramente um personagem 'cool' como o caraças.



Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…