Avançar para o conteúdo principal

Pensamentos Avulsos VII


Viver-se em permanente civilização não pode ser normal. - Tenho provas disto e apresentar-las-ei se me forem pedidas. - É que somos todos tão selvagens, brutos mesmo, alguns até grotescos, por baixo da capa da civilização. Somos mesmo. Investiguem a ciência da paleoantropologia e entenderão o barbarismo do ser humano. Não falo teológicamente, não vi o 'Diabo' em ninguém. Vi sim o desprendimento, a impunidade dos assaltantes. A iminente falha sistémica da empatia. Um dia escreverei mais sobre isto. Não hoje. Hoje sinto-me marcado pelos opressores involuntários. E há tantos desses. Nascem mil a cada minuto de cada hora de cada dia. Batem nos mais fracos, nos que acreditam poder vir a ser melhores do que são, nos sonhadores. Espancam-nos impiedosamente e crescem os malditos, crescem exponencialmente. Chegará o dia em que não teremos mais inventores ou artistas. Toda a criatividade ficará submetida aos violentos pragmáticos, aos conquistadores deste novo mundo imediato que só quer ser rápido e racional, não espera pelos visionários. Não! Um dia morreremos incompletos e ninguém se lembrará que tentámos sequer existir. É este o caminho actual. O estado do Mundo. Estarão todos demasiado aterrorizados para o serem, e assim se cumpre o papel dos 'bullies', agentes do 'Governo Sombra' que afectam o futuro da civilização. Se o futuro for uma espécie de distopia, será violento e obscuro como uma batalha inglória.
Em essência é exactamente isso que somos; selvagens!
E, mais tarde ou mais cedo, partiremos o bem construído verniz porque estamos formatados para assim sermos. Uns abusadores das minorias. Uns nazis. E esta última palavra explica tudo. Morri debaixo de uma saraivada de nacionalismo-literário neo. Um dia, talvez, alguém venha a repescar aquilo que escrevi. Hoje, somente encontro muros e facas longas. Estou morto para as palavras que quero escrever. É o que penso, mas não receio de o dizer.

Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…