Avançar para o conteúdo principal

Pensamentos Avulsos VII


Viver-se em permanente civilização não pode ser normal. - Tenho provas disto e apresentar-las-ei se me forem pedidas. - É que somos todos tão selvagens, brutos mesmo, alguns até grotescos, por baixo da capa da civilização. Somos mesmo. Investiguem a ciência da paleoantropologia e entenderão o barbarismo do ser humano. Não falo teológicamente, não vi o 'Diabo' em ninguém. Vi sim o desprendimento, a impunidade dos assaltantes. A iminente falha sistémica da empatia. Um dia escreverei mais sobre isto. Não hoje. Hoje sinto-me marcado pelos opressores involuntários. E há tantos desses. Nascem mil a cada minuto de cada hora de cada dia. Batem nos mais fracos, nos que acreditam poder vir a ser melhores do que são, nos sonhadores. Espancam-nos impiedosamente e crescem os malditos, crescem exponencialmente. Chegará o dia em que não teremos mais inventores ou artistas. Toda a criatividade ficará submetida aos violentos pragmáticos, aos conquistadores deste novo mundo imediato que só quer ser rápido e racional, não espera pelos visionários. Não! Um dia morreremos incompletos e ninguém se lembrará que tentámos sequer existir. É este o caminho actual. O estado do Mundo. Estarão todos demasiado aterrorizados para o serem, e assim se cumpre o papel dos 'bullies', agentes do 'Governo Sombra' que afectam o futuro da civilização. Se o futuro for uma espécie de distopia, será violento e obscuro como uma batalha inglória.
Em essência é exactamente isso que somos; selvagens!
E, mais tarde ou mais cedo, partiremos o bem construído verniz porque estamos formatados para assim sermos. Uns abusadores das minorias. Uns nazis. E esta última palavra explica tudo. Morri debaixo de uma saraivada de nacionalismo-literário neo. Um dia, talvez, alguém venha a repescar aquilo que escrevi. Hoje, somente encontro muros e facas longas. Estou morto para as palavras que quero escrever. É o que penso, mas não receio de o dizer.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…