Avançar para o conteúdo principal

O dia do fim do Circo de Feras


José Pedro Amaro dos Santos Reis "Zé Pedro" (1956-2017)


Fazem-se sempre elegias bacocas na hora da morte de algum artista ou figura famosa ou meramente conhecida. O Zé Pedro, aquele tipo bexigoso, cara de mau e 'perigosamente' tatuado, que tocava guitarra nos 'Xutos & Pontapés' não é excepção. Muito se fala sobre ele no dia de hoje (é tão comum que se acabe sempre a falar destas pessoas no dia em que morrem. Enerva-me isto.) 
O Miguel Esteves Cardoso por exemplo, escreveu assim, hoje, sobre ele: "O Zé Pedro era bem educado e sorridente. A boa educação consiste em tornar mais confortável e agradável a existência dos outros: bem cultivada, é uma forma de bondade. O Zé Pedro tinha essa bondade e, para mais, usava-a bem."
O 'excelso' senhor Cardoso, que aparentemente, parece conhecer toda a gente em Portugal, lá saberá o que diz sobre o que escreve. É provável que fossem ambos mesmo amigos de abraço, não sei. E nem me interessa muito saber. Nunca conheci o Zé Pedro nem o Miguel Esteves Cardoso, e nem tampouco me apercebi dos problemas de saúde que afligiam o primeiro e que, eventualmente o mataram. Só sabia da existência do Zé Pedro como uma espécie de 'Keith Richards' luso, em algum paralelismo inocente que terei feito pelos anos 80 entre os "Xutos" e os "Stones". São coisas da minha cabeça que nunca passariam pela do Miguel Esteves.
A verdade é que não venho para aqui negar o profundo impacto que os 'Xutos & Pontapés' tiveram na minha juventude. As suas músicas marcaram-me sim, e o Zé Pedro esteve lá em todas. Logo, dói-me um bocado a sua morte, confesso-o, mas não me choca ou me põe constrangido. Quase toda a gente (o Zé incluído) sabiam já aquilo que o esperava.
O senhor Cardoso finaliza assim a sua crónica (e aqui admito que o adorei): "O Zé Pedro deixa os Xutos e Pontapés como se continuassem com ele. É obra dele e é obra deles. Obrigado, Zé Pedro, por teres dado tudo."
E é verdade, ele deu sempre. Eu lembro-me.


Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…