Avançar para o conteúdo principal

Jogos de Adivinhas


Já não vou escrever uma rosa na janela fechada
que são os teus olhos a querer adormecer junto ao
parque verde da cidade, nem vou ser o novo grande
poeta que tu um dia esperaste que eu fosse:
este poema não é meteorológico mas eu consigo
adivinhar o vento e a chuva todas as manhãs,
tal como conheço os críticos e sei que não sirvo
para gatinhar noutra casa que não seja a do teu coração.

Até tu já adivinhas as tantas coisas que faço
para te inventar um sorriso, e tão fácil me parece
quando o consigo, tanto quanto foi nascer assim,
fora de mão, e para o resto do sempre ter os pés
à margem dos caminhos das certezas. Sim, reconheço:
sou um poeta sem qualidades para os líricos do meu tempo
e só a minha utopia não lamenta as tantas palavras
que desconheço para me dizer de um outro lado.
Não alcancei o fingimento, não sei se vou ou não por aí,
tenho a liberdade livre dos aldeões pacientes,
o sossego de poder acordar junto de ti.

Não exijo mais nada, como te disse,
adivinhei a maneira certa de adormecer
com o barulho aterrador das águas. 

luís filipe cristóvão

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.