Avançar para o conteúdo principal

Deixa-te estar à Luz.


Meio adormecido por fortes drogas (legais?) que lutam contra a traição de uma gripe que insiste em não ligar à minha predileção pelo frio, e ataca e ataca-me em vagas sucessivas, fugi ao tabaco e meti-me a fundo por dentro do álcool e dos analgésicos, cheio de armaduras antipiréticas, descongestionantes nasais, anti-histamínicas, uma horda de absurdos químicos em forma de exército defensor que não derrota nada. Antes que desse por isso, entrei neste reino de poesia bela e surreal a cambalear de arrepios. A gripe é uma luz regular que nos foge do corpo, um calor normal que esmorece. Não pode. Não deixo. Hei-de vencê-la nem que seja por pura irritação.


Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Textos Devolvidos II

(...)

Gabriel era um palerma, sim, um débil pamonha cheio de fraquezas emotivas. O pai dele era o seu inverso, o Hermenegildo acredito que fosse selvagem, sem dúvida. Os gonzos descambados da porta assim o provavam. Como é que alguém nãoselvagem conseguiria vergar aquelas dobradiças num empeno, com a simples força do seu corpo? - Além disso, havia também a história, sim, aquela misteriosa história que o Gabriel, a muito custo nos contou certa vez, sobre ele.  Não era uma história sobre o senhor Almeida entendam, mas tão-somente a história do bravo Hermenegildo Almeida. – Há aqui uma notória diferença. - Onde este, dotado de um sangue mais vermelho que a maioria, e com dezassete anos apenas, fugira de casa sem qualquer aviso, rumando a Espanha, para se juntar aos retalhos das brigadas internacionais, os soberanos republicanos que lutavam contra o fascismo do General Francisco Franco. Gabriel não era exactamente um bom contador de histórias, de modo que tivemos de fazer as contas e imagi…

O Interesse da Solidão

A solidão, de todas as marcas de fogo que carrega o ser humano, é, indubitavelmente, a mais perturbadora. Lembrem-se todos: sois filhos dos vossos pais. Sangue de ferro, coração de gelo... carcaça de geleia, polme infinito.... Intermitência da vida antes e depois. Somos todos tão inconsequentes pelo que fazemos para chegarmos onde estamos. - Escreverá algum dia alguém um livro sobre nós? Ainda estou para fazer 50 e já tudo me soa a tragédia. Isto é solidão! Fico doente só de pensar, como se a própria ideia me aleijasse fisicamente. Envelhecer não é uma coisa boa para pessoas como eu. Lembra-me o Céline a dizer: "Se envelhecer cedo demais..." - Só isso. Beber, beber, beber...ostras fumadas aos feriados, corações de alcachofras por acaso e chocolate belga a enojar-me a fobia aos Domingos, Meu Deus! Perdido em um mar cintilante de solidão humana, encontra-se um pequeno lugar da cor do chumbo. Não é a minha nem a tua, é. Porque a solidão nunca quer ser, mas acaba por ser próxim…