Avançar para o conteúdo principal

Coração de Lã


Foi em Novembro, talvez
nos últimos dias
quando as coisas começaram a ficar demasiado tristes
sem qualquer razão especial.
Despiram-se todas as árvores arteriais
de uma vez
antes, tão cheias
de boas memórias sadias.
Aqui e ali, desafogado, um longe
ou alguma ideia peregrina já esfumada.
Está tudo mal
por estas amplidões espaciais.
Uma crepuscular penumbra permanente
de vida abandonada
no final da hora ou do dia ou do mês.
Foi por esta altura do ano que me ocorreram as modas defuntas
que o meu avô usou na mocidade
disto recordo-me por uma doce voz










julgo que do mesmo coração quente, cansado da viuvez.
Fatiga-me o olhar aquele descampado imenso
as pernas juntas
descosidas no cós
e o chapéu abaulado por uma só presilha sem idade.
Uma melancolia fotografada por três gerações.
Sentirei assim tal lembrança, e com tal afã
por almas cativas em retratos e poemas dispersos?
Não sei.
Foi este mês, quiçá, mês d'acalmia.
Não estou bem certo, pela mistura de tanta saudade
vestida em tantos desnudos corações.
Por via das dúvidas escrevi estes versos
para não o deixar só, para nunca ser tão vã
a nossa fraterna nostalgia.




Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…