Avançar para o conteúdo principal

Coração de Lã


Foi em Novembro, talvez
nos últimos dias
quando as coisas começaram a ficar demasiado tristes
sem qualquer razão especial.
Despiram-se todas as árvores arteriais
de uma vez
antes, tão cheias
de boas memórias sadias.
Aqui e ali, desafogado, um longe
ou alguma ideia peregrina já esfumada.
Está tudo mal
por estas amplidões espaciais.
Uma crepuscular penumbra permanente
de vida abandonada
no final da hora ou do dia ou do mês.
Foi por esta altura do ano que me ocorreram as modas defuntas
que o meu avô usou na mocidade
disto recordo-me por uma doce voz










julgo que do mesmo coração quente, cansado da viuvez.
Fatiga-me o olhar aquele descampado imenso
as pernas juntas
descosidas no cós
e o chapéu abaulado por uma só presilha sem idade.
Uma melancolia fotografada por três gerações.
Sentirei assim tal lembrança, e com tal afã
por almas cativas em retratos e poemas dispersos?
Não sei.
Foi este mês, quiçá, mês d'acalmia.
Não estou bem certo, pela mistura de tanta saudade
vestida em tantos desnudos corações.
Por via das dúvidas escrevi estes versos
para não o deixar só, para nunca ser tão vã
a nossa fraterna nostalgia.




Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.