Avançar para o conteúdo principal

Cápsula do Tempo...


... de um tempo de cabelos armados em excesso de laca e bigodinhos enxutos à 'porn-star' bem fingida no abono das virilhas. Pudendo ter nascido antes do tempo, seria um Fred Schneider ainda mais cromo que o próprio. Tão lindos e bizarros! O Keith, a Cindy, a Kate, o Ricky e o desbragado Fred com o seu olhar constantemente embriagado. 
Queria que fosse hoje a primeira vez que os ouvi, para poder cair para o lado novamente. A estupefacção foi-me injectada. Só dói ter-me esquecido quem me ofereceu o "Cosmic Thing" naquele meu aniversário longínquo. De resto continuo caído em torpor. De espanto somente. De intensificado assombro. 


Fui buscar uns discos antigos e passei uma parte da tarde a ouvi-los. Continuam a pôr-me movimentos involuntários nas ancas e canções na boca que não tem nem um terço do timbre da Cindy para as cantar. Porra! - Quase trinta anos depois ainda me espantam as teias de aranha da má disposição. Isto é coisa de enorme importância para um problema humano que tem o meu nome. Devo ter feito alguma distensão, mas foi uma tarde boa a completar a fantástica manhã. Talvez nem fosse sem os B-52's. Obrigado pela cama desarrumada e o quarto feito em zona de guerra. A minha mãe desaprovava-vos, porém, o que eu não saltei naquele bocadinho de espaço astronómico, convosco, aos gritos. Fi-lo cheio de gosto. Hoje, voltei a fazê-lo.


Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.