Avançar para o conteúdo principal

Brilho fosco das Mudanças - Parte 1



Justino Viriato era um homem que fugia às regras, custódio de uma imensa fortuna e de um juízo mental irrepreensível.
Apesar de ter um corpo em ruínas, ou talvez por isso mesmo, deixava que a vida lhe corresse devagar, sem grandes proveitos de alegria. Acordava com o sol, levantava-se, ia até à varanda somar pássaros e ventos fortes; depois lavava-se, vestia-se, descia à cozinha e comia uma laranja do seu quintal, que colhia pontual na tarde anterior e que deixava pousada na mesa da cozinha para o dia seguinte. As suas laranjas eram amargas e honestas como devem de ser as laranjas, e Justino jurava manter-se são enquanto estas assim fossem. Só então é que prosseguia em passo de tempo até ao grande salão das traseiras para contemplar o seu maior tesouro: os botões de punho.
Fazia tudo com um vagar próprio do avanço da idade, longa o suficiente para saber, que não existe nada no mundo que justifique a tolice da azáfama e das correrias. Em determinado momento já estava tão velho que não envelhecia mais, apenas apodrecia pontual, como as Estações. Trazia na pele manchas de fígado como hieróglifos secretos, sem ter quem as decifrasse.
O soalho rangia gravemente sob os seus pés, no seu percurso quase mecânico pela casa ancestral. Perdia as horas inteiras da manhã no desvelo de amor que prestava àqueles pequenos objectos polidos, encastres caducos de outros tempos. Herdara-os, de um vasto e inútil espólio, dos cuidados extremosos de seu pai, coleccionista nato e precursor inveterado de tão bizarro acervo. Amara-o mais que tudo, mais que à própria família até, e Justino, depois de lhe crescer após a morte, sempre lhes demonstrou o mesmo desmedido apreço.
Tinha um jardim cheio de mochos. Piavam todos ao mesmo tempo e havia vários tons e sons de pios. Uns piavam assim, outros faziam que piavam, e outros ainda nem piavam de todo, apenas pareciam mochos porque se escondiam no meio dos outros, exactamente como os seres humanos. Justino apontava em um caderninho aqueles que piavam em falsete. Punha-lhes umas marcas invisíveis na existência e depois disparava-lhes a velha pressão de ar, para os manter distantes dos verdadeiros mochos. Fazia isto regularmente e depois dirigia-se ao salão. Para lá arrastava consigo todas as manhãs a perna esquerda, como um toco inútil, caída faz tempo na desgraça da paralisia, e de igual modo trazia a fala. Pouco a usava, é bem certo, os mochos quase que falavam por si, mas quando o fazia, esta saía-lhe arrastada num toque de finados, fruto da mesma triste maldade que o seu coração enferrujado lhe infligiu.
Vivia assim no finzinho do terceiro quarto da sua vida, sem ter grandes expectativas ou vontades, sobre o que lhe reservariam os derradeiros anos da soma daquele viver. Justino pouco se importava, a velhice e o desamparo comiam-lhe o desejo de viver, pouco a pouco, e já nem fazia caso disso.
Durante o dia agarrava-se afoito ao único prazer que lhe restava, o raio dos botões. No entanto, em muitas noites, quando adormecia embalado pelos mochos, secretamente ansiava não voltar a acordar.
Desde logo, obstinou-se nesta ânsia de morte, mal se apagou a luz nos olhos dos seus pais, misteriosamente tolhidos no sono, pelo estrondo medonho da aparatosa queda de parte do telhado daquele infinito mausoléu onde viviam. A derrocada, fez cair também Justino numa indigência de sobrevivente forçado, ansioso por lhes fazer companhia. E a explosão de dor que lhe rebentou o coração, pouco tempo depois dessa catástrofe, em nada o ajudou a contrariar esse preceito.

Era todo ele uma criatura sem proveito de serventia: nunca apanhava nada do chão, nunca apagava luzes, arrastava uma cadeira ao seu lugar de origem, nem fechava uma porta. Dava estranhos nomes às coisas banais e só queria morrer depressa. Comia, quando e porque lhe apetecia, e por vezes nem lhe apetecia ter apetite, e, nos momentos infinitos de solidão que a morte dos pais lhe trouxera, o fulcro de glória da sua existência, resumiu-se aquela estúpida colecção de botões de punho, de derivadas origens, cores e formatos, pela qual nutria uma intolerância de amor sem explicação.

(continua)

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…