Avançar para o conteúdo principal

Brilho fosco das Mudanças - Parte 1



Justino Viriato era um homem que fugia às regras, custódio de uma imensa fortuna e de um juízo mental irrepreensível.
Apesar de ter um corpo em ruínas, ou talvez por isso mesmo, deixava que a vida lhe corresse devagar, sem grandes proveitos de alegria. Acordava com o sol, levantava-se, ia até à varanda somar pássaros e ventos fortes; depois lavava-se, vestia-se, descia à cozinha e comia uma laranja do seu quintal, que colhia pontual na tarde anterior e que deixava pousada na mesa da cozinha para o dia seguinte. As suas laranjas eram amargas e honestas como devem de ser as laranjas, e Justino jurava manter-se são enquanto estas assim fossem. Só então é que prosseguia em passo de tempo até ao grande salão das traseiras para contemplar o seu maior tesouro: os botões de punho.
Fazia tudo com um vagar próprio do avanço da idade, longa o suficiente para saber, que não existe nada no mundo que justifique a tolice da azáfama e das correrias. Em determinado momento já estava tão velho que não envelhecia mais, apenas apodrecia pontual, como as Estações. Trazia na pele manchas de fígado como hieróglifos secretos, sem ter quem as decifrasse.
O soalho rangia gravemente sob os seus pés, no seu percurso quase mecânico pela casa ancestral. Perdia as horas inteiras da manhã no desvelo de amor que prestava àqueles pequenos objectos polidos, encastres caducos de outros tempos. Herdara-os, de um vasto e inútil espólio, dos cuidados extremosos de seu pai, coleccionista nato e precursor inveterado de tão bizarro acervo. Amara-o mais que tudo, mais que à própria família até, e Justino, depois de lhe crescer após a morte, sempre lhes demonstrou o mesmo desmedido apreço.
Tinha um jardim cheio de mochos. Piavam todos ao mesmo tempo e havia vários tons e sons de pios. Uns piavam assim, outros faziam que piavam, e outros ainda nem piavam de todo, apenas pareciam mochos porque se escondiam no meio dos outros, exactamente como os seres humanos. Justino apontava em um caderninho aqueles que piavam em falsete. Punha-lhes umas marcas invisíveis na existência e depois disparava-lhes a velha pressão de ar, para os manter distantes dos verdadeiros mochos. Fazia isto regularmente e depois dirigia-se ao salão. Para lá arrastava consigo todas as manhãs a perna esquerda, como um toco inútil, caída faz tempo na desgraça da paralisia, e de igual modo trazia a fala. Pouco a usava, é bem certo, os mochos quase que falavam por si, mas quando o fazia, esta saía-lhe arrastada num toque de finados, fruto da mesma triste maldade que o seu coração enferrujado lhe infligiu.
Vivia assim no finzinho do terceiro quarto da sua vida, sem ter grandes expectativas ou vontades, sobre o que lhe reservariam os derradeiros anos da soma daquele viver. Justino pouco se importava, a velhice e o desamparo comiam-lhe o desejo de viver, pouco a pouco, e já nem fazia caso disso.
Durante o dia agarrava-se afoito ao único prazer que lhe restava, o raio dos botões. No entanto, em muitas noites, quando adormecia embalado pelos mochos, secretamente ansiava não voltar a acordar.
Desde logo, obstinou-se nesta ânsia de morte, mal se apagou a luz nos olhos dos seus pais, misteriosamente tolhidos no sono, pelo estrondo medonho da aparatosa queda de parte do telhado daquele infinito mausoléu onde viviam. A derrocada, fez cair também Justino numa indigência de sobrevivente forçado, ansioso por lhes fazer companhia. E a explosão de dor que lhe rebentou o coração, pouco tempo depois dessa catástrofe, em nada o ajudou a contrariar esse preceito.

Era todo ele uma criatura sem proveito de serventia: nunca apanhava nada do chão, nunca apagava luzes, arrastava uma cadeira ao seu lugar de origem, nem fechava uma porta. Dava estranhos nomes às coisas banais e só queria morrer depressa. Comia, quando e porque lhe apetecia, e por vezes nem lhe apetecia ter apetite, e, nos momentos infinitos de solidão que a morte dos pais lhe trouxera, o fulcro de glória da sua existência, resumiu-se aquela estúpida colecção de botões de punho, de derivadas origens, cores e formatos, pela qual nutria uma intolerância de amor sem explicação.

(continua)

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.