Avançar para o conteúdo principal

As Crónicas do Senhor Barbosa IV



O senhor Barbosa parece que teve uma juventude feliz. Que pena que a felicidade não o acompanhou em anos mais recentes. Quando envelheceu, deixou muito pelo caminho. A felicidade foi uma delas. Ou talvez a inocência. Talvez até tenha sido a inocência o que o fez perder a felicidade. Não sabe muito bem, mas anda a ler sobre o assunto.
Também não se importa. Já se habituou a ser mais velho do que as pessoas o imaginam.
Tem uma espécie de estratégia absolutamente ineficaz, mas que usa e abusa como se fosse um plano perfeito: afasta-se e deixa todos em paz por algum tempo, e quando acha que passou tempo suficiente e tendo a obrigação de já ter realizado algo que valesse a pena no entretanto, retorna, com ar tímido e curioso de discípulo admirativo, que vem visitar os mestres.
Talvez pareça que o senhor Barbosa nem sente saudades de ninguém, mas é um equívoco.  Depois de dias cheios de tempo em excesso, logo surgem as suas ideias transformadas, ampliadas, metamorfoseadas em ideias de lástima pelo afastamento. Imensamente fortes, evidentes, sabe ele muito bem, como se tivessem sido dele desde sempre. Não foram. O senhor Barbosa teve de facto uma juventude muito feliz e teve amigos e deu muitos passeios e abraços, conversou tanto, riu-se imenso.
Então deita fora os estudos e os livros e os esboços que escreveu entrementes, minutas obsoletas em que timidamente experimenta uma nova explicação, que antes desenvolvera na sua cabeça ansiando pelos créditos e admiração do mundo, e começa tudo de novo. Aprendeu. O senhor Barbosa por fim aprendeu a conviver consigo mesmo, parado em uma assoalhada tão diminuta que quase nem dava para estar ali sozinho ao mesmo tempo.

E, ainda que tenha sido já feliz não significa que abandonasse essa necessidade. Só que, apenas os mais resistentes o recebem de volta quando retorna. Apenas os mais tenazes continuam a sentir saudades suas.
Sabe bem que não há prestidigitação de lugar algum que substitua o conhecimento dos momentos secretos em que se estabelecem as correspondências cara a cara, corpo a corpo. Sabe isso tão bem. Entende também que não há medalhas por feitos corajosos que ninguém senão ele entende. O senhor Barbosa confere a si mesmo a graça audaciosa, a sedução do auto-rapto, o conhecimento exacto de como se travam as batalhas amorosas e sobre qual o momento de seduzir, qual o de consolidar, qual o momento da capitulação. Sente saudades sim, mas este é o momento para desistir não para insistir. 
Será certo que terá muito menos pessoas na sua vida quando chegar o momento do regresso. Sabe isso também. O que o senhor Barbosa sabe não lembra a ninguém. Por vezes, nem a ele próprio. Admite que as coisas nem sempre se poderão passar assim. Não será possível aguentar isto a vida toda. Mas, acredita que é muitas vezes o que acontece enquanto se aguarda que nada disto nos aconteça.
Talvez tenha lido isto em algum livro, ou quiçá o tenha escrito em algum esquisso abandonado.



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…