Avançar para o conteúdo principal

As Crónicas do Senhor Barbosa IV



O senhor Barbosa parece que teve uma juventude feliz. Que pena que a felicidade não o acompanhou em anos mais recentes. Quando envelheceu, deixou muito pelo caminho. A felicidade foi uma delas. Ou talvez a inocência. Talvez até tenha sido a inocência o que o fez perder a felicidade. Não sabe muito bem, mas anda a ler sobre o assunto.
Também não se importa. Já se habituou a ser mais velho do que as pessoas o imaginam.
Tem uma espécie de estratégia absolutamente ineficaz, mas que usa e abusa como se fosse um plano perfeito: afasta-se e deixa todos em paz por algum tempo, e quando acha que passou tempo suficiente e tendo a obrigação de já ter realizado algo que valesse a pena no entretanto, retorna, com ar tímido e curioso de discípulo admirativo, que vem visitar os mestres.
Talvez pareça que o senhor Barbosa nem sente saudades de ninguém, mas é um equívoco.  Depois de dias cheios de tempo em excesso, logo surgem as suas ideias transformadas, ampliadas, metamorfoseadas em ideias de lástima pelo afastamento. Imensamente fortes, evidentes, sabe ele muito bem, como se tivessem sido dele desde sempre. Não foram. O senhor Barbosa teve de facto uma juventude muito feliz e teve amigos e deu muitos passeios e abraços, conversou tanto, riu-se imenso.
Então deita fora os estudos e os livros e os esboços que escreveu entrementes, minutas obsoletas em que timidamente experimenta uma nova explicação, que antes desenvolvera na sua cabeça ansiando pelos créditos e admiração do mundo, e começa tudo de novo. Aprendeu. O senhor Barbosa por fim aprendeu a conviver consigo mesmo, parado em uma assoalhada tão diminuta que quase nem dava para estar ali sozinho ao mesmo tempo.

E, ainda que tenha sido já feliz não significa que abandonasse essa necessidade. Só que, apenas os mais resistentes o recebem de volta quando retorna. Apenas os mais tenazes continuam a sentir saudades suas.
Sabe bem que não há prestidigitação de lugar algum que substitua o conhecimento dos momentos secretos em que se estabelecem as correspondências cara a cara, corpo a corpo. Sabe isso tão bem. Entende também que não há medalhas por feitos corajosos que ninguém senão ele entende. O senhor Barbosa confere a si mesmo a graça audaciosa, a sedução do auto-rapto, o conhecimento exacto de como se travam as batalhas amorosas e sobre qual o momento de seduzir, qual o de consolidar, qual o momento da capitulação. Sente saudades sim, mas este é o momento para desistir não para insistir. 
Será certo que terá muito menos pessoas na sua vida quando chegar o momento do regresso. Sabe isso também. O que o senhor Barbosa sabe não lembra a ninguém. Por vezes, nem a ele próprio. Admite que as coisas nem sempre se poderão passar assim. Não será possível aguentar isto a vida toda. Mas, acredita que é muitas vezes o que acontece enquanto se aguarda que nada disto nos aconteça.
Talvez tenha lido isto em algum livro, ou quiçá o tenha escrito em algum esquisso abandonado.



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.