Avançar para o conteúdo principal

As Crónicas do Senhor Barbosa III




O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável.
Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte.
Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conhecia já, mas que agora se lhe apresentava agudo e doloroso, como se de um dia para o outro se tivesse desabituado dele. 
- Quando me sentir aborrecido atiro-me ao mar! - Exclama. - É só descer a rua.
É tão bonita a consciência compacta, é como um belo sistema de destino esculpido nos intervalos para o café. Primeiro chamou-lhe irritante, pois assim lhe pareceu. Girava-lhe dentro da cabeça vazia, levantando-lhe um vendaval nas quatro paredes da caveira caricata. 
- Que tolice! Jamais o farei. - Riu-se novamente. - Costumo assustar toda a gente que me rodeia. - continua - por ser capaz de estar horas a fio a olhar pela janela, mesmo quando nada de interessante parece acontecer. Mesmo assim acontece. Acontece sempre e não a posso perder. A vida acontece lá fora aos outros, e eu, eu vejo-a na primeira fila como um deus desapegado.
O Senhor Barbosa aumentava a cada dia em ondas sucessivas, golpeando-se por dentro, fazendo vibrar o remorso com uma força desmedida, desregulado com o ritmo seguro do seu corpo decadente. Alguma coisa se tinha modificado na sua estrutura material de homem sólido, alguma coisa que lhe martelava a cabeça por dentro com pancadas duras e secas. Vergonha, concluiu. Simples vergonha por estar ainda são, de corpo sólido e livre, e ainda assim lamentar-se como se sentisse diariamente uma firme pressão de dor desesperada. Não sentia. Era um teatro. O Senhor Barbosa, contrariamente às evidências, respirava pela boca ainda. 
Tanta ignorância que a nossa mente divisa. O ruído diminuiu agora, menos do que isso até, parece ter-se sumido de todo, só a vergonha é que não.
O Senhor Barbosa tinha as veias cheias de existência.
- Tão bonito isto! - Disse, incerto.



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.