Avançar para o conteúdo principal

As Crónicas do Senhor Barbosa III




O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável.
Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte.
Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conhecia já, mas que agora se lhe apresentava agudo e doloroso, como se de um dia para o outro se tivesse desabituado dele. 
- Quando me sentir aborrecido atiro-me ao mar! - Exclama. - É só descer a rua.
É tão bonita a consciência compacta, é como um belo sistema de destino esculpido nos intervalos para o café. Primeiro chamou-lhe irritante, pois assim lhe pareceu. Girava-lhe dentro da cabeça vazia, levantando-lhe um vendaval nas quatro paredes da caveira caricata. 
- Que tolice! Jamais o farei. - Riu-se novamente. - Costumo assustar toda a gente que me rodeia. - continua - por ser capaz de estar horas a fio a olhar pela janela, mesmo quando nada de interessante parece acontecer. Mesmo assim acontece. Acontece sempre e não a posso perder. A vida acontece lá fora aos outros, e eu, eu vejo-a na primeira fila como um deus desapegado.
O Senhor Barbosa aumentava a cada dia em ondas sucessivas, golpeando-se por dentro, fazendo vibrar o remorso com uma força desmedida, desregulado com o ritmo seguro do seu corpo decadente. Alguma coisa se tinha modificado na sua estrutura material de homem sólido, alguma coisa que lhe martelava a cabeça por dentro com pancadas duras e secas. Vergonha, concluiu. Simples vergonha por estar ainda são, de corpo sólido e livre, e ainda assim lamentar-se como se sentisse diariamente uma firme pressão de dor desesperada. Não sentia. Era um teatro. O Senhor Barbosa, contrariamente às evidências, respirava pela boca ainda. 
Tanta ignorância que a nossa mente divisa. O ruído diminuiu agora, menos do que isso até, parece ter-se sumido de todo, só a vergonha é que não.
O Senhor Barbosa tinha as veias cheias de existência.
- Tão bonito isto! - Disse, incerto.



Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…