Avançar para o conteúdo principal

Saudade de ver bons Filmes (XI)


...que só estreiam amanhã, mas que, graças ao 'milagre' da internet já vi e recomendo muito.



É quase impossível ver este filme e não nos perdermos na trilogia "Antes do Amanhecer" (Richard Linklater), que claramente influenciou Klinger, no estilo verborreico e romântico, ainda que tenha abdicado do mais comum e previsível final feliz.
Saem Jesse e Celine, entram Jake e Mati. Saem Julie Delpy e Ethan Hawke, entram Lucie Lucas e Anton Yelchin (um actor que faleceu cedo demais, em Julho passado e que presta neste filme, o papel da sua curta vida.) Sai Viena, entra o Porto.
Com produção do maravilhoso Jim Jarmusch, Klinger opta por não contar apenas a história do primeiro encontro do casal, mas todo o seu relacionamento, desde o encantamento ao desgaste. Através da competente montagem de Géraldine Mangenot e do próprio Gabe, o filme vai jogando com as emoções do espectador, ao embaralhar a história do casal. 
É difícil não olhar para Yelchin com uma certa melancolia, ainda mais em um papel tão denso,  um personagem tão complexo. Vive a pele de um homem sem grande rumo na vida, perdido num país estranho e que, numa noite, parece encontrar a pessoa perfeita para si. Lucie é essa pessoa. 
Porto é assim um drama romântico. E seria apenas mais um drama romântico entre tantos que se produzem sem grande impacto, se não oferecesse ao espectador uma conclusão de fantasia. E, por nos fazer sonhar, torna-se um filme que, mesmo não sendo excelente, merece destaque mesmo assim. 

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.