Avançar para o conteúdo principal

As Crónicas do Senhor Barbosa II


O senhor Barbosa cuida da sua forma física com discreta aplicação, e quando se levanta faz ginástica respiratória para sentir que mesmo os muito solitários, ainda podem dizer coisas válidas: "Um, dois...um, dois...um, dois..." diz ele em vibrato, depois de ultimamente, ter começado a estranhar o seu corpo junto a si. Nasceram-lhe uns altos novos no dealbar das fronteiras mais susceptíveis a esse crescimento. Ali, no enclave acima da barriga, abaixo dos mamilos. - Quer isto dizer que engordara sem percepção estrita da origem da malfadada gordura aparecida. Ou por outras palavras, talvez fosse altura de começar a pensar em deixar de beber. Sorri mesmo assim. A sua colecção de garrafas vazias amontoa-se na estante, atrás dos livros. Sorri novamente. Porque nem sabe a razão de as esconder aí. (Ou em qualquer outro lado)
O senhor Barbosa engraça-se com a ideia de ainda viver com a mulher e os dois filhos, e de lhes esconder os vícios como antes. Antes de começar a acordar sozinho.
Por vezes não suportava o seu próprio toque, o seu próprio respirar durante as noites. As mãos tornaram-se-lhe ásperas, o bafo, um vapor fétido de limbo. O senhor Barbosa suspeitava que um corpo podia-nos mentir, mas nunca nos enganar. Enganar era a pior coisa que o corpo se ajeita a fazer-nos. Não o permitiria. E, como a sua cama só tinha um lado, começava a existir um corpo estranho ali. Um corpo que já não apetecia agarrar, aquecer-se junto a ele nas noites mais frias.
Mesmo assim agarrou-o. Não tinha a intenção de o deixar fugir. A solidão nunca vê os dentes ao cavalo. Puxou-o para junto de si. A mão subiu-lhe o pijama: quero-te! - Disse-lhe. - Quero-te agora! - E o corpo correspondeu.
Costumava retratar-se deitado, com uma das mãos na anca e a outra apoiada, quase displicentemente no dossel da cama. Regra geral, o senhor Barbosa ficava tão mal nas fotografias que parecia escorado em um grotesco retrato de morto. Justamente como aqueles daguerreótipos de falecidos que antes era normal tirar.
Mas ele quer-me mesmo assim. - Pensou. E mais nada que isso pensou.
De manhã fazia impossíveis acrobacias para não o acordar. Dirigia-se para a casa de banho. Tomava um longo duche. Ele permanecia deitado. A ouvir a água correr. Esticava o braço desde o poli banho e sentia o outro lado de si ainda quente. O senhor Barbosa gostava de começar assim os dias.
O problema era o calor que ainda fazia no final de Outubro e a sua manifestação involuntária em não conseguir ser normal nem para si mesmo. Era um desastre anunciado que o senhor Barbosa esqueceu de mencionar quando se entregou a si mesmo.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.