Avançar para o conteúdo principal

As Crónicas do Senhor Barbosa II


O senhor Barbosa cuida da sua forma física com discreta aplicação, e quando se levanta faz ginástica respiratória para sentir que mesmo os muito solitários, ainda podem dizer coisas válidas: "Um, dois...um, dois...um, dois..." diz ele em vibrato, depois de ultimamente, ter começado a estranhar o seu corpo junto a si. Nasceram-lhe uns altos novos no dealbar das fronteiras mais susceptíveis a esse crescimento. Ali, no enclave acima da barriga, abaixo dos mamilos. - Quer isto dizer que engordara sem percepção estrita da origem da malfadada gordura aparecida. Ou por outras palavras, talvez fosse altura de começar a pensar em deixar de beber. Sorri mesmo assim. A sua colecção de garrafas vazias amontoa-se na estante, atrás dos livros. Sorri novamente. Porque nem sabe a razão de as esconder aí. (Ou em qualquer outro lado)
O senhor Barbosa engraça-se com a ideia de ainda viver com a mulher e os dois filhos, e de lhes esconder os vícios como antes. Antes de começar a acordar sozinho.
Por vezes não suportava o seu próprio toque, o seu próprio respirar durante as noites. As mãos tornaram-se-lhe ásperas, o bafo, um vapor fétido de limbo. O senhor Barbosa suspeitava que um corpo podia-nos mentir, mas nunca nos enganar. Enganar era a pior coisa que o corpo se ajeita a fazer-nos. Não o permitiria. E, como a sua cama só tinha um lado, começava a existir um corpo estranho ali. Um corpo que já não apetecia agarrar, aquecer-se junto a ele nas noites mais frias.
Mesmo assim agarrou-o. Não tinha a intenção de o deixar fugir. A solidão nunca vê os dentes ao cavalo. Puxou-o para junto de si. A mão subiu-lhe o pijama: quero-te! - Disse-lhe. - Quero-te agora! - E o corpo correspondeu.
Costumava retratar-se deitado, com uma das mãos na anca e a outra apoiada, quase displicentemente no dossel da cama. Regra geral, o senhor Barbosa ficava tão mal nas fotografias que parecia escorado em um grotesco retrato de morto. Justamente como aqueles daguerreótipos de falecidos que antes era normal tirar.
Mas ele quer-me mesmo assim. - Pensou. E mais nada que isso pensou.
De manhã fazia impossíveis acrobacias para não o acordar. Dirigia-se para a casa de banho. Tomava um longo duche. Ele permanecia deitado. A ouvir a água correr. Esticava o braço desde o poli banho e sentia o outro lado de si ainda quente. O senhor Barbosa gostava de começar assim os dias.
O problema era o calor que ainda fazia no final de Outubro e a sua manifestação involuntária em não conseguir ser normal nem para si mesmo. Era um desastre anunciado que o senhor Barbosa esqueceu de mencionar quando se entregou a si mesmo.

Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…