Avançar para o conteúdo principal

Só, o Outono ou nunca.


Entre o brilho verde de fulgor
e o nada, nada me pertenceu.
Aqui, as brisas espalham feridas
embrenhadas pelas faias bravas,
logo aqui tão perto

uma pequena saga
de grandes memórias esquecidas
que muitos sorrisos devassaram.
Bosques inteiros de rostos
ladeando os caminhos de pegadas de lama

um arvoredo frio e deserto
posto quieto à força
da lâmina dos dias marginais
e sem horizontes
longe de todas as coisas de fácil recompensa
que nunca sequer quis.
Por lá dentro haverá,

um homem cansado
magoado nas mãos e nos montes
pelos prados sibilantes do coração
onde o vento foi chamar
amor ao seu amado.
Um homem rendido
a escutar só recados de silêncio,
que se esqueceu devagar do Outono
nascido desse recorte de cicatriz
perdido
ou quase acabado.
Houve sempre muito
visto de esguelha por estes lugares.
Tanto abria os olhos como existia
ou os fechava tristemente
quando os caminhos se abriam
adivinhando os mistérios das
paisagens e anseios imperfeitos

que por um instante,
por essas paragens
junto desse corpo inerte que todos já sabiam
a floresta, perplexa, recolheu-se em suas pedras lisas
e folhas perenes de corpos esmagados
ficou sem palavras ou pele vestida
envelheceu
ficou

a contar sombras de dias pelas folhagens.


Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…