Avançar para o conteúdo principal

O Napoleão da Rua de S.Roque


Hoje vi
um Napoleão pequenino
deitado à solta 
numa rua caída
da minha terra.
Enrolava um cigarro
displicentemente
debaixo do nariz aquilino
e ajeitava os galões do peito
enquanto um vento forte
espumoso, quase demente
lhe soprava o sentido da guerra
a favor do catarro.

Achei piada ao seu jeito

de pequeno imperador

sozinho, feito um messias

no meio daquela rua.

Passavam as pessoas

e ele, atentamente

mas muito baixinho

levantava o braço a dar-lhes bons dias.

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.