Avançar para o conteúdo principal

Esta mulher dormindo


(Para ti)


Mais um dia que se ajoelhou de faca na boca.

Esta mulher em máximo equilíbrio, sorrindo como uma estátua.

Esta mulher feita de carne e sono, embrulhando os filhos por estrear

Falhou em tudo e ri-se, de carvão a cercar o estômago

As narinas muito abertas à procura do ar.

As pernas tranquilas para o outro lado do corpo

Uma dor de furar cidades numa cara adolescente, estreita,

entre dois olhos

 

É mesmo ela, sem dúvida,

esta mulher de diversão para qualquer dia

um gesto desajeitado para qualquer ombro

o maior esquecimento da família, até aos domingos

E volta a cara para outro lado, de preferência à procura da luz

 

Mulher nua, no quarto, desistindo da sua lírica,

Olhando o tecto

Mulher encolhida na própria sina, encontro fatal

 

Os olhos comem

O corpo alcança

A mulher ergue-se no túmulo de outra vida

Desaprendendo de ser gente

 

Mulher de bater à porta em dias invisíveis

Calada, encostada à condição do seu lixo

Remexendo nele com línguas nos seios

 

Não lhe resta nenhuma casa, declarou a guerra perdida

Mas há-der vir uma desculpa que lhe baste para o nojo de estar

desperta

e o cheiro contínuo a orfandade

 

Mulher toda, cavalo elegante, praia

a vida é pouco mais que a humidade daquele quarto,

morte lenta por silêncio,

e um resto de nada

um resto de nada



Cláudia R. Sampaio

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.